Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Brasil comemora 20 anos do fim do conflito entre Peru e Equador

O Brasil irá comemorar nesta terça-feira os 20 anos do fim dos conflitos na fronteira entre Peru e Equador, que se prolongaram por quase 170 anos e que causaram várias guerras, tensões e enfrentamentos entre ambos os países.
EFE

Brasília - O Acordo Global e Definitivo de Paz entre Equador e Peru foi assinado em 26 de outubro de 1998 em Brasília, que voltará a ser palco de um encontro entre representantes dessas duas nações, mas agora para reafirmar "o valor e a eficácia da diplomacia e da solução pacífica de controvérsias", diz o comunicado do Ministério das Relações Exteriores.

A cerimônia contará com a participação do equatoriano José Ayala Lasso e do peruano Fernando de Trazegnies Granda, que eram os chanceleres de seus países na ocasião da assinatura e tiveram participação ativa nas negociações, e será presidido pelo ministro das Relações Exteriores Aloysio Nunes.

Segundo a nota oficial, a comemoração "também evidencia, uma vez mais, a capacidade regional de responder e…

Noruega nega que exercícios militares tenham a ver com a Rússia

Os exercícios militares Arctic Challenge Exercise (ACE) não têm relação com a Rússia nem com a tensa situação política no mundo, declarou o porta-voz da Força Aérea norueguesa, Stian Roen.


Sputnik

"Arctic Challenge não tem a ver com a Rússia nem com a tensa situação política internacional. É um treinamento programado há anos", disse em entrevista à Sputnik.


Caça americano F-16CM no Aeroporto de Kallax, no norte da Suécia, em 26 de maio de 2015
© REUTERS/ TT News Agency/Susanne Lindholm

A simulação foi marcada para começar em 25 de maio e vai até 5 de junho, realizada em Suécia, Finlândia e Noruega com a participação de Estados Unidos, Reino Unido, Holanda, Suíça, Alemanha e França.

De acordo com o roteiro dos exercícios, os militares desses países comprovarão sua coordenação e simularão uma operação de paz na região norte dos países.

Anteriormente, os exercícios foram motivo de críticas na Suécia. O ex-embaixador sueco na Rússia, Sven Hirdman, comentou que "em vez de estar entrando na guerra com a OTAN no norte da Europa, o governo deveria trabalhar para o alívio das tensões entre os blocos militares."


Postar um comentário

Postagens mais visitadas