Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Executiva da Huawei deixa a prisão após pagar fiança no Canadá; ex-diplomata canadense é preso na China

Justiça aceitou pedido da chinesa, que foi detida a pedido dos Estados Unidos e corria risco de extradição. Fiança estipulada fixada em US$ 7,5 milhões.
Por G1

A diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, foi solta nesta quarta-feira (12) depois de passar 11 dias presa no Canadá.

A executiva teve aceito o pedido de liberdade condicional, por um juiz canadense. O valor da fiança foi fixado em 10 milhões de dólares canadenses (US$ 7,5 milhões).

Meng saiu da prisão poucas horas depois da ordem do juiz, informou o canal Global News.

"O risco de que não se apresente perante o tribunal (para uma audiência de extradição) pode ser reduzido a um nível aceitável, impondo as condições de fiança propostas por seu assessor", disse o juiz, aplaudido na sala do tribunal pelos partidários da empresa chinesa, informa a France Presse.

As condições de libertação incluem a entrega de seus dois passaportes, que permaneça em uma de suas residências de Vancouver e use tornozeleira eletrônica. Além dis…

OTAN manipula informações sobre a Rússia, diz chefe de espionagem francês

O general Cristophe Gomart, diretor do serviço de inteligência militar da França, considera que a OTAN não fornece informações confiáveis sobre a Rússia para, propositalmente, gerar uma escalada de países europeus contra Moscou.


Sputnik

"O verdadeiro problema com a OTAN é que nela predomina a informação americana, enquanto a inteligência francesa é menos considerada, por isso existe a importância de alimentar suficientemente a OTAN com informações de origem francesa", disse o general a uma comissão da Assembleia Nacional francesa.


General Christophe Gomart, comandante das forças especiais francesas
© AFP 2015/ Frank Perry

Em seu discurso, Gomart defendeu a importância de seu serviço e pediu mais recursos. Para destacar a importância de uma inteligência militar própria, o general voltou a recorrer ao exemplo da OTAN: "A OTAN anunciou que os russos iam invadir a Ucrânia, enquanto segundo nossas informações nada confirmava essa hipótese", garantiu.

Gomart disse ainda que "os russos não haviam deslocado seus postos nem meios logísticos como hospitais de campanha, o que permitiria prever um plano de invasão militar. Depois, viu-se que tínhamos razão", explicou a tempo de reiterar que a França precisa ter a possibilidade de dispor de informações confiáveis que "permitam avaliar as situações e fazer valer um ponto de vista."

Segundo o jornal espanhol La Vanguardia, a participação do general na Assembleia não motivou nenhuma pergunta dos deputados que assistiam à sessão. Nenhum veículo de imprensa francês repercutiu as declarações.


Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas