Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Premiê iraquiano: Estado Islâmico está mais fraco

O grupo radical terrorista Estado Islâmico no Iraque está enfraquecido e está deixando suas posições, declarou o premiê do país, Haider Abadi, neste domingo (3).


Sputnik

As forças iraquianas libertaram todos os territórios da província de Diyala e a maior parte dos territórios da província de Salahuddin, disse Abadi em Bagdá depois da reunião com o seu homólogo canadense, Stephen Harper.


Um militante do Estado Islâmico caminha sobre escombros na Síria.
© AFP 2015/ AFPTV / AFP

"O Estado islâmico está recuando e é mais fraco agora. Graças a Deus já foram libertados todos os territórios da província de Diyala e maior parte dos territórios da província de Salahuddin, e Bagdá hoje tornou-se mais segura do que em qualquer outro momento." No sábado, 2 de maio, a capital iraquiana Bagdá foi abalada por duas explosões, matando 17 pessoas. Os militantes do Estado Islâmico assumiram a responsabilidade pelos ataques, relatou a mídia local.

Ainda no mesmo dia, a Missão de Assistência das Nações Unidas para o Iraque divulgou o seu relatório mensal, revelando que mais de 800 pessoas foram mortas em atos de violência e terrorismo no país. As cidades de Bagdá, Diyala e Salahuddin estão entre as áreas particularmente atingidas pela violência, segundo a ONU.



Postar um comentário