Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Qual será resposta síria a novos mísseis 'inteligentes' dos EUA?

A cada declaração do presidente dos EUA, Donald Trump, sobre seus "mísseis inteligentes", os sistemas de defesa antiaérea sírios terão sua própria resposta de mísseis, o que foi demonstrado pelo país em 14 de abril, assegurou à Sputnik o membro do Conselho Público junto ao Ministério da Defesa da Rússia, Igor Korotchenko.
Sputnik

Mais cedo, Sergei Rudskoy, chefe da Direção-Geral Operacional do Estado-Maior das Forças Armadas russas, disse aos jornalistas que os especialistas russos tinham detectado evidências de 22 mísseis terem atingido alvos, de um total de 105 anunciados pelos EUA, na sequência do ataque aéreo dos EUA e seus aliados.


"Os mísseis podem ser 'inteligentes', mas os sistemas da defesa antiaérea podem ser eficientes, por isso, para cada míssil 'astuto' haverá um míssil guiado, o que foi demonstrado pelo ótimo treinamento profissional dos soldados sírios. Nas declarações de Trump há muita publicidade, e para cada tweet de Trump sobre seus '…

Representante da ONU: coalizão liderada pela Arábia viola o direito internacional no Iêmen

O Coordenador Humanitário da ONU para o Iêmen, Johannes Van Der Klaauw, afirmou que o bombardeio de áreas civis pela coalizão de países liderada Arábia Saudita viola o direito internacional.


Sputnik

Na semana passada, a coalizão continuou fazendo ataques aéreos contra posições rebeldes na província de Saada, no Iêmen, que faz fronteira com a Arábia Saudita. “O bombardeio indiscriminado de áreas povoadas, com ou sem aviso prévio, viola o direito internacional humanitário”, disse Van Der Klaauw em um comunicado no sábado (8).


Ataques aéreos no Iêmen
© Sputnik/ Iliya Pitalev

Ele acrescentou que está “profundamente preocupado” com o impacto dos ataques aéreos de sexta-feira (7) em Saana. “Dezenas de civis foram mortos e milhares de pessoas forçadas a deixar suas casas após a coalizão declarar toda a governadoria como um alvo militar. O direcionamento de um governadoria inteira coloca inúmeros civis em risco.” Van Der Klaauw assinalou que a situação é agravada pelo fato de que muitos civis estão presos em Saana, uma vez que não é possível usar o transporte devido à falta de combustível.

Iêmen tem sido envolvido em violência e impasse político desde o final de 2014, quando os rebeldes tomaram o controle sobre grandes áreas do país, incluindo a capital Sanaa. O Presidente Abd Rabbuh Mansur Hadi foi deposto no início deste ano.

Em 26 de março, a coalizão liderada pelos sauditas começaram a realizar ataques aéreos no Iêmen, tendo como alvo posições rebeldes houthis, a pedido de Hadi. Em 21 de abril, a coalizão disse que havia terminado a operação militar e divulgou o início da campanha Restaurar a Esperança, dizendo que iria se concentrar no combate ao terrorismo e os esforços humanitários. Apesar do anúncio, os ataques aéreos continuaram.

Mais de 1.400 pessoas, cerca de metade deles civis, morreram no Iêmen desde meados de março, de acordo com as estimativas recentes da ONU.



Postar um comentário