Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Pyongyang: 3 porta-aviões perto da Coreia do Norte são uma ameaça de guerra nuclear

A ONU "fecha os olhos aos exercícios de guerra nuclear dos EUA, que estão empenhados em causar um desastre catastrófico para a humanidade", declarou o embaixador norte-coreano na ONU, Ja Song-nam.
Sputnik

As autoridades norte-coreanas classificaram na segunda (13) o deslocamento sem precedentes de 3 grupos de porta-aviões dos EUA para a zona da península da Coreia como uma "postura de ataque".


O representante norte-coreano permanente na ONU, Ja Song-nam, expressou em uma carta enviada ao secretário-geral da ONU o descontentamento do seu governo com os exercícios militares de Seul, Tóquio e Washington. Estes, segundo o diplomata, estão criando "a pior situação para a península da Coreia e seus arredores".

"Os EUA são os principais responsáveis por escalar as tensões e comprometer a paz", declarou Ja Song-nam.

Além da presença de 3 porta-aviões estadunidenses (Nimitz, Ronald Reagan e Theodore Roosevelt), Washington continua realizando voos de bombarde…

Representante da ONU: coalizão liderada pela Arábia viola o direito internacional no Iêmen

O Coordenador Humanitário da ONU para o Iêmen, Johannes Van Der Klaauw, afirmou que o bombardeio de áreas civis pela coalizão de países liderada Arábia Saudita viola o direito internacional.


Sputnik

Na semana passada, a coalizão continuou fazendo ataques aéreos contra posições rebeldes na província de Saada, no Iêmen, que faz fronteira com a Arábia Saudita. “O bombardeio indiscriminado de áreas povoadas, com ou sem aviso prévio, viola o direito internacional humanitário”, disse Van Der Klaauw em um comunicado no sábado (8).


Ataques aéreos no Iêmen
© Sputnik/ Iliya Pitalev

Ele acrescentou que está “profundamente preocupado” com o impacto dos ataques aéreos de sexta-feira (7) em Saana. “Dezenas de civis foram mortos e milhares de pessoas forçadas a deixar suas casas após a coalizão declarar toda a governadoria como um alvo militar. O direcionamento de um governadoria inteira coloca inúmeros civis em risco.” Van Der Klaauw assinalou que a situação é agravada pelo fato de que muitos civis estão presos em Saana, uma vez que não é possível usar o transporte devido à falta de combustível.

Iêmen tem sido envolvido em violência e impasse político desde o final de 2014, quando os rebeldes tomaram o controle sobre grandes áreas do país, incluindo a capital Sanaa. O Presidente Abd Rabbuh Mansur Hadi foi deposto no início deste ano.

Em 26 de março, a coalizão liderada pelos sauditas começaram a realizar ataques aéreos no Iêmen, tendo como alvo posições rebeldes houthis, a pedido de Hadi. Em 21 de abril, a coalizão disse que havia terminado a operação militar e divulgou o início da campanha Restaurar a Esperança, dizendo que iria se concentrar no combate ao terrorismo e os esforços humanitários. Apesar do anúncio, os ataques aéreos continuaram.

Mais de 1.400 pessoas, cerca de metade deles civis, morreram no Iêmen desde meados de março, de acordo com as estimativas recentes da ONU.



Postar um comentário