Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

No decorrer da operação Ramo de Oliveira será criada zona de segurança na Síria

O primeiro-ministro turco Binali Yildirim anunciou a criação, durante a operação militar turca na província síria de Afrin, de uma faixa de segurança de 30 quilômetros.
Sputnik

O premiê, citado pela emissora Haberturk, adiantou também que a operação seria efetuada em quatro etapas.


"A operação vai decorrer em 4 etapas com o objetivo de criar uma faixa de segurança de 30 quilômetros, que será limpa de terroristas", disse o político, citado pela emissora NTV.

Yildirim adiantou que até agora não há mortos ou feridos entre o contingente turco que realiza a operação.

Mais cedo, o Estado-Maior da Turquia anunciou o início da operação "Ramo de Oliveira" contra os grupos curdos na província síria de Afrin, que começou precisamente às 14h00 locais (12h00 no horário de Brasília). De acordo com a entidade militar, a operação conta com a participação de 72 aviões, enquanto 108 dos 113 alvos planejados já foram eliminados. Há poucos dias, o premiê turco, Binali Yildirim, havia avanç…

Representante da ONU: coalizão liderada pela Arábia viola o direito internacional no Iêmen

O Coordenador Humanitário da ONU para o Iêmen, Johannes Van Der Klaauw, afirmou que o bombardeio de áreas civis pela coalizão de países liderada Arábia Saudita viola o direito internacional.


Sputnik

Na semana passada, a coalizão continuou fazendo ataques aéreos contra posições rebeldes na província de Saada, no Iêmen, que faz fronteira com a Arábia Saudita. “O bombardeio indiscriminado de áreas povoadas, com ou sem aviso prévio, viola o direito internacional humanitário”, disse Van Der Klaauw em um comunicado no sábado (8).


Ataques aéreos no Iêmen
© Sputnik/ Iliya Pitalev

Ele acrescentou que está “profundamente preocupado” com o impacto dos ataques aéreos de sexta-feira (7) em Saana. “Dezenas de civis foram mortos e milhares de pessoas forçadas a deixar suas casas após a coalizão declarar toda a governadoria como um alvo militar. O direcionamento de um governadoria inteira coloca inúmeros civis em risco.” Van Der Klaauw assinalou que a situação é agravada pelo fato de que muitos civis estão presos em Saana, uma vez que não é possível usar o transporte devido à falta de combustível.

Iêmen tem sido envolvido em violência e impasse político desde o final de 2014, quando os rebeldes tomaram o controle sobre grandes áreas do país, incluindo a capital Sanaa. O Presidente Abd Rabbuh Mansur Hadi foi deposto no início deste ano.

Em 26 de março, a coalizão liderada pelos sauditas começaram a realizar ataques aéreos no Iêmen, tendo como alvo posições rebeldes houthis, a pedido de Hadi. Em 21 de abril, a coalizão disse que havia terminado a operação militar e divulgou o início da campanha Restaurar a Esperança, dizendo que iria se concentrar no combate ao terrorismo e os esforços humanitários. Apesar do anúncio, os ataques aéreos continuaram.

Mais de 1.400 pessoas, cerca de metade deles civis, morreram no Iêmen desde meados de março, de acordo com as estimativas recentes da ONU.



Postar um comentário