Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Putin passa para Trump a responsabilidade de resolver conflito na Síria

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, passou a bola para que o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, seja o responsável por resolver o conflito na Síria.
EFE

Helsinque - Em entrevista coletiva conjunta realizada nesta segunda-feira, em Helsinque, após a primeira cúpula entre os dois líderes, Putin também deu para Trump uma bola oficial da Copa do Mundo.

"No que se refere ao fato de a bola da Síria estar no nosso telhado, senhor presidente, o senhor acaba de dizer que organizamos com sucesso o Mundial de Futebol. Portanto, quero agora entregar esta bola. Agora, a bola está do seu lado", disse Putin.

O presidente russo fazia uma referência a uma frase do secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, que havia afirmado que a bola para resolver o conflito na Síria estava no telhado do Kremlin.

Trump agradeceu pelo presente e disse estar confiante de que EUA, México e Canadá organizarão em 2026 uma Copa do Mundo tão bem-sucedida como a da Rússia.

Na sequência, o presidente americ…

Rússia participará de exercícios navais no mar do Sul da China

O ministro adjunto da Defesa russo, Anatoly Antonov, anunciou neste sábado (30), em uma cúpula do setor em Cingapura, que a Rússia participará de exercícios navais no mar do Sul da China em 2016, juntamente com os seus parceiros na região Ásia-Pacífico.


Sputnik

Antonov afirmou que a Rússia está cada vez mais preocupada com a sua segurança, citando a implantação de escudos antimísseis norte-americanos, o terrorismo e as “revoluções coloridas”. A defesa russa também realizará no próximo ano seu primeiro exercício com Brunei. Ele ressaltou que as políticas dos EUA na região são cada vez mais dirigida contra seu país a China e que a presença de destróieres norte-americanos constituem uma ameaça para a estabilidade na região.


Navio de guerra cruzador Moskva
Moskva © Sputnik/ Vasily Batanov

“Apesar de nossas preocupações sobre a arquitetura de defesa antimísseis global dos EUA, eles continuam uma política de perturbar a estabilidade estratégica, acrescentando um segmento regional de um escudo antimíssil na região Ásia-Pacífico”, disse Antonov.

Segundo o ministro adjunto, o Vietnã é um exemplo recente de pressão norte-americana ao forçar o país a proibir a manutenção de aviões russos de longo alcance em aeroportos vietnamitas. “O objetivo é reduzir a possibilidade de utilização de aeródromos e portos estrangeiros pela Marinha e da Força Aérea da Rússia.”

Ele também falou sobre o terrorismo, que está se transformando em uma força ameaçadora em vários países ao redor do mundo, incluindo a região Ásia-Pacífico, ao lado de pirataria, a cibercriminalidade e tráfico de drogas. “É preocupante que os terroristas em vários países estão se transformando em uma força real e aspiram a chegar ao poder em alguns estados.”

Antonov acrescentou que o movimento Talibã continua a ser um problema que a coligação internacional no Afeganistão não conseguiu derrotar. “De acordo com alguns dados, existem cerca de 50.000 combatentes naquele país, onde, em seu território, bem como na fronteira, há uma rede de campos de treinamento de terroristas, inclusive para homens-bomba.”

O ministro adjunto russo também mostrou no fórum uma grande preocupação com o que chamou de revoluções coloridas, que, segunda ele, poderia vir para a região Ásia-Pacífico, a qualquer momento, sob o pretexto de introduzir valores “democráticos”. “Uma epidemia de ‘revoluções coloridas’ varreu o Oriente Médio e, como um furacão, eliminou vários estados na região. Esta doença atravessou vários países europeus, onde os eventos são controlados livremente a partir do exterior.”

Em sua fala, ele falou do exemplo da Ucrânia como um caso em que os resultados de uma tal “revolução colorida” têm impactado os interesses da Rússia, visto que milhões de russos vivem em território ucraniano. “Como resultado do golpe inconstitucional, o país está mergulhado em uma guerra civil e os partidários do ‘partido da guerra’ continuam empurrando o Estado para aventuras militares. Ao mesmo tempo, há uma verdadeira catástrofe humanitária. Mais de 6 mil pessoas já morreram.”

Também na cúpula, a Rússia manifestou interesse em desenvolver uma cooperação mais estreita com Israel, bem como o acordar a proibição de exercícios militares perto de suas fronteiras com a Coreia do Norte e o Japão.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas