Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Yatsenyuk: "Encerraremos o genocídio quando Putin se retirar"

Confrontado por um repórter quanto à sangrenta campanha de Kiev no leste da Ucrânia, o primeiro-ministro do país, Arseny Yatsenyuk, reconheceu indiretamente a responsabilidade de seu governo quando se recusou a responder a pergunta e culpou a Rússia, relata o portal de notícias francês AgoraVox.


Sputnik

Ao falar com a imprensa após encontrar-se com oficiais do país nesta semana, Yatsenyuk foi questionado diretamente pelo repórter Frederic Saillot, do Eurasie Express: "Senhor Yatsenyuk, quando vocês vão dar fim ao genocídio em Donbass?"


O primeiro-ministro da Ucrânia Arseny Yatsenyuk chega para a reunião do Conselho de Segurança em Kiev 4 de novembro de 2014

Yatsenyuk não negou que a política de Kiev era genocida. Em vez disso, respondeu que o genocídio iria parar "quando Putin recuar e implementar os Acordos de Minsk e parar de violar a lei internacional. E quando justiça for feita com a Rússia."

Retrucado pelo jornalista, que apontou a morte de seis a dez mil pessoas no conflito e perguntou "Vocês vão continuar?", Yatsenyuk culpou o presidente russo, Vladimir Putin, observando que "isto é horrível. O Presidente Putin, por causa de sua política nacionalista de extrema direita, matou ucranianos inocentes, anexou ilegalmente a Crimeia e invadiu Donetsk e Lugansk."

O repórter insistiu e rebateu: "Vocês mataram ucranianos inocentes!" O primeiro-ministro, então, deu as costas e passou a responder perguntas de outros jornalistas.



Postar um comentário