Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA confirmam linha estratégica de 'desmembramento da Síria', diz analista

Os EUA declararam que não querem restaurar as regiões na Síria que estão sob o controle de Damasco. O especialista Vladimir Fitin explica na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik o que busca Washington.
Sputnik

Os EUA não querem ajudar na reconstrução das regiões na Síria que ficam sob o controle do presidente sírio Bashar Assad, declarou um alto funcionário dos EUA após o primeiro dia do encontro dos ministros das Relações Exteriores do G7.


Em janeiro, o Departamento de Estado dos EUA afirmou que Washington não iria ajudar a Rússia, o Irã e Damasco oficial na restauração do país, enquanto a "transformação política" da Síria não se realizasse. Segundo declarou o assistente adjunto do secretário de Estado dos EUA para o Médio Oriente, David Satterfield, a condição da ajuda é a reforma constitucional e eleições sob os auspícios da ONU.

O analista do Instituto dos Estudos Estratégicos da Rússia, Vladimir Fitin, na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik comentou a decla…

EUA ameaçam a Rússia ao colocar sistema da defesa aérea no mar Negro

Os Estados Unidos não planejam instalar permanente sistema de defesa aérea no mar Negro, mas, se for necessário, poderão fazer isso.


Sputnik

“Os Estados Unidos não planejam instalar permanente os sistemas de defesa aérea Aegis no mar Negro. Nós seguimos a Convenção de Montreux, que proíbe a implantação de forma permanente. Mas se houver qualquer circunstâncias imprevistas, temos a oportunidade de enviar pra lá os navios, equipados com o sistema de defesa aérea Aegis”, disse o secretário de Estado adjunto para Controle de armas, verificação e cumprimento, Frank Rose.





“Podemos enviá-los lá para proteger nossos aliados contra a ameaça de mísseis balísticos. E como vocês sabem, houve vários casos quando enviamos os navios para o mar Negro, mas para outras missões”, acrescentou ele, relata RIA Novosti.

Mais cedo, o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Ashton Carter, confirmou a intenção americana de posicionar 250 tanques em sete países do Leste Europeu e dos Bálcãs.

Em resposta ao posicionamento de armas do Estados Unidos no Leste Europeu a Rússia pode fortalecer sua presença militar no enclave báltico de Kaliningrado, afirmou um parlamentar russo.

Segundo comunicou reiteradas vezes o Ministério da Defesa da Rússia, durante o último ano e meio a intensidade da preparação militar das tropas da OTAN junto às fronteiras da Rússia aumentou consideravelmente após acusações de interferência russa na crise ucraniana. Moscou negou as alegações e agora enfatiza que a expansão militar em direção às fronteiras russas prejudicam a segurança regional e aumenta as tensões.


Postar um comentário