Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Brasil comemora 20 anos do fim do conflito entre Peru e Equador

O Brasil irá comemorar nesta terça-feira os 20 anos do fim dos conflitos na fronteira entre Peru e Equador, que se prolongaram por quase 170 anos e que causaram várias guerras, tensões e enfrentamentos entre ambos os países.
EFE

Brasília - O Acordo Global e Definitivo de Paz entre Equador e Peru foi assinado em 26 de outubro de 1998 em Brasília, que voltará a ser palco de um encontro entre representantes dessas duas nações, mas agora para reafirmar "o valor e a eficácia da diplomacia e da solução pacífica de controvérsias", diz o comunicado do Ministério das Relações Exteriores.

A cerimônia contará com a participação do equatoriano José Ayala Lasso e do peruano Fernando de Trazegnies Granda, que eram os chanceleres de seus países na ocasião da assinatura e tiveram participação ativa nas negociações, e será presidido pelo ministro das Relações Exteriores Aloysio Nunes.

Segundo a nota oficial, a comemoração "também evidencia, uma vez mais, a capacidade regional de responder e…

EUA negociam implantação de Black Ops no Curdistão iraquiano

Representantes dos EUA estão mantendo conversações com a liderança do Curdistão iraquiano para implantar unidades adicionais das forças especiais norte-americanas no território da autonomia, segundo noticiou a agência de notícias iraniana Fars nesta terça-feira (16).


Sputnik

Segundo a publicação, o chefe do Comando Central dos EUA, general Lloyd J. Austin, reuniu-se com o presidente da região do Curdistão iraquiano, Massoud Barzani, na cidade de Erbil (capital da autonomia), para discutir a possibilidade de estabelecer unidades de elite de operações especiais e equipes de operações secretas – as chamadas Black Ops – na região.


Instrutor britânico em treinamento com combatentes curdos iraquianos nos arredores de Arbil em novembro de 2014
© AFP 2015/ SAFIN HAMED

Teoricamente, as Black Ops são operações clandestinas realizadas no limiar da legalidade segundo as leis internacionais – como no caso de missões de resgate, por exemplo –, mas, geralmente, trata-se de operações explicitamente ilegais patrocinadas por um governo em outros países, não raro envolvendo sequestros ou assassinatos.

Em janeiro deste ano, o historiador e jornalista investigativo Nick Turse publicou em seu blog que só no ano fiscal de 2015 (iniciado no primeiro dia de outubro do ano passado), as tropas de elite dos EUA já haviam executado operações secretas em 105 países. Durante o ano fiscal de 2014, o número foi de 133 ou, aproximadamente, 70% das nações do planeta.

O Curdistão iraquiano está servindo atualmente como uma estação regional para equipes de operações especiais britânicas, israelenses e norte-americanas, além de abrigar grandes depósitos para equipamentos militares franceses. As frentes armadas curdas, conhecidas como peshmerga, têm sido cruciais na resistência local contra o grupo terrorista Estado Islâmico.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas