Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Hillary Clinton classifica Rússia, Irã e Coréia do Norte como "ameaças tradicionais" aos EUA

A candidata democrata à presidência dos EUA, Hillary Clinton disse durante seu primeiro grande discurso de campanha no sábado, em Nova York, que Rússia, Coréia do Norte e Irã são ameaças tradicionais à segurança norte americana.


Sputnik


De acordo com uma recente pesquisa da CNN/ORC, quase 60 por cento dos cidadãos dos EUA crê que Hillary Clinton carece de honestidade e confiabilidade. A mesma pesquisa indicou que Clinton lidera o campo democrata por uma larga margem, com 60 por cento dos prováveis ​​eleitores dizendo que a apoiariam.

Hillary Clinton, a ex-secretária de Estado norte-americana e candidata à presidência
© AP Photo
"Nenhum outro país do mundo está melhor posicionado para prosperar no século XXI. Nenhum outro país está melhor equipado para enfrentar as ameaças tradicionais de países como Rússia, Coréia do Norte e Irã, e para lidar com a ascensão de novas potências como a China", disse a candidata democrata no pronunciamento.

A ex-Secretária de Estado dos EUA também enfatizou em seu discurso no sábado que os Estados Unidos estão preparados para combater ameaças emergentes, tais como ciberataques e as redes globais de terrorismo, em particular referindo-se a expansão do grupo Estado Islâmico (EI).

"Como sua presidente eu farei o que for preciso para manter a América segura".

Em 12 de abril, Clinton anunciou que estava concorrendo à presidência dos Estados Unidos para 2016 e lançou sua campanha.



Postar um comentário