Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Super Tucano em teste pela Força Aérea dos EUA sofre acidente

Queda sem causa ainda definida é má notícia para a fabricante brasileira, que disputa concorrência com americanos
Igor Gielow | Folha de S.Paulo

Um turboélice A-29 Super Tucano, fabricado pela Embraer, caiu durante um exercício de ataque leve conduzido pela Força Aérea dos EUA em um campo de provas do Novo México, na sexta (22).

Dois tripulantes conseguiram se ejetar. Segundo comunicado da base de Holloman, um dele se feriu levemente e foi medicado, enquanto não há detalhes do estado do segundo. A causa do acidente não foi divulgada.

O avião participa da fase final da competição para fornecimento de aviões leves para missões de ataque a solo e reconhecimento. Inicialmente, os EUA querem adquirir 15 unidades, para depois expandir a até 120. Elas servirão para substituir o famoso A-10 Warthog (Javali, em inglês), um modelos subsônico a jato fortemente armado e blindado que opera desde 1977.

Os americanos estão procurando opções mais econômicas para a missão. Enquanto um A-10 tem sua hora-voo…

Marinha suspende até setembro execução do contrato que rege construção da classe Macaé

Poder Naval

A Marinha do Brasil suspendeu, até a terceira semana do mês de setembro, a execução do contrato nº 45000/2008-004/00, que a Diretoria de Engenharia Naval mantém com a empresa francesa Constructions Mécaniques de Normandie (CMN), para a construção dos Navios-Patrulha de 500 toneladas classe Macaé (Vigilante na França).


NPa MacauNavio-Patrulha costeiro “Macau” (P71), da classe Vigilante.

A medida está relacionada à decisão da Força de adiar para o final deste ano o recebimento da próxima unidade tipo Macaé, que foi batizada de Maracanã (P-72) e se encontra em fase final de construção no Estaleiro Ilha S.A. (EISA), do Rio de Janeiro.

Toda vez que a Marinha incorpora um navio da classe Macaé, fica obrigada a pagar à CMN o valor acordado pelo uso do projeto, um custo previsto no contrato da Diretoria de Engenharia Naval com a CMN denominado Licença de Uso do Projeto.

Pela programação anterior, o Maracanã deveria ser incorporado no meio do ano e, consequentemente, a Força Naval brasileira teria que realizar o desembolso correspondente à Licença.

Como a nova programação de recebimento das unidades tipo Macaé prevê a entrega do P-72 somente para o último bimestre, a Marinha conseguiu suspender por 120 dias o contrato, e livrar-se de uma quitação que precisaria fazer a curto prazo, dentro de algumas semanas.

Entretanto, os chefes navais não abdicam de receber os cinco navios Vigilante/Macaé contratados ao EISA. Depois do Maracanã, será a vez do Mangaratiba (P-73), que tem sua entrega prevista para o segundo semestre de 2016.

Os NaPas de 500 toneladas serão substituídos pelos chamados NPa 500-BR, projeto derivado dos planos franceses do Vigilante que é apresentado, dentro da Marinha, como “evolução” da classe Macaé.

Abaixo, a íntegra do “Aviso de Suspensão” emitido pela Diretoria de Engenharia Naval da Marinha do Brasil:

DIRETORIA DE ENGENHARIA NAVAL

AVISO DE SUSPENSÃO

Fica suspensa, temporariamente, nos termos do art. 57, § 1º, inciso III 1ª parte, art. 78, inciso XIV e observado o art. 8º, parágrafo único e o art. 26 da Lei nº 8.666/1993, a execução do contrato nº 45000/2008-004/00, entre a Diretoria de Engenharia Naval e a Empresa CONSTRUCTIONS MÉCANIQUES DE NORMANDIE (CMN). Objeto: Licença de Uso de Projeto de Concepção de Construção de Navio-Patrulha de 500 Toneladas. Prazo: 120 dias a partir de 21/05/2015.

PAULO CÉSAR GUIMARÃES

Adjunto da Gerência de Obtenção de Npa-500


Postar um comentário

Postagens mais visitadas