Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O Brasil tem poder de fogo para proteger a riqueza da Amazônia Azul? (VÍDEO)

Devido à enorme riqueza natural, a porção de mar sob jurisdição brasileira é também conhecida como Amazônia Azul. A área é um dos mais importantes patrimônios naturais brasileiros e é uma preocupação para o setor de Defesa. Para comentar o assunto, a Sputnik Brasil ouviu Ricardo Cabral, pesquisador da Escola de Guerra Naval da Marinha do Brasil.
Sputnik

O pesquisador falou sobre a importância comercial e estratégica, o potencial energético, científico e as obrigações internacionais do Brasil com as áreas da Amazônia Azule seu entorno. Ele também descreveu o atual estado da esquadra da Marinha brasileira, que carece de investimentos e pleiteia junto ao novo governo federal uma fatia maior do orçamento público, limitado pela Emenda Constitucional nº 95.


Foi a própria Marinha brasileira que cunhou o termo "Amazônia Azul", em referência ao tamanho da biodiversidade e dos bens naturais encontradas em sua área. No entanto, a área marítima é ainda maior do que porção brasileira da flo…

Mídia norte-americana: divisão militar secreta mata legalmente nos EUA

A divisão 6 da unidade SEAL (na sigla em inglês) da Marinha dos EUA é uma das divisões militares da resposta rápida mais secretas do mundo, que nos últimos anos se tornou numa “máquina de matar” pouco controlada pelos chefes políticos ou militares, opina a mídia norte-americana.


Sputnik

A pequena divisão foi criada para cumprir missões especiais esporádicas, a mais famosa das quais foi a eliminação do chefe da Al-Qaeda, Osama bin Laden. O secretismo de tudo que tem a ver com a divisão 6 da unidade SEAL (SEAL Team 6, em inglês) é enorme – o Pentágono até nem reconhece publicamente o nome da divisão.


Navy SEAL operators awaited a night mission to capture insurgent leaders near Falluja, Iraq, in July 2007. CreditJohn Moore/Getty Images

Segundo o jornal The New York Times, durante décadas este pequeno grupo tem se tornado numa “máquina de matar mundial” para eliminar os “rivais dos EUA”:

“Esse papel reflete a nova maneira norte-americana de conduzir a guerra, em que o conflito é caraterizado não por vitórias e derrotas no campo de batalha, mas por mortes inexoráveis de supostos inimigos.”

O ex-senador Bob Kerry, que foi soldado da unidade SEAL durante a guerra no Vietnã, disse que a SEAL Team 6 foi criada para cumprir missões esporádicas mas que agora se tornou “numa espécie de número 1-800 [número de telefone gratuito – ed.] para as situações quando alguém quer algo bem feito”.

Segundo declararam ex-soldados da divisão especial, por várias semanas eles tinham que sair para o trabalho todas as noites. O inquérito da The New York Times revelou que, durante operações da liquidação de terroristas, a SEAL Team 6 também matou civis. De acordo com especialistas, as operações do grupo são extremamente violentas, o que pode ser explicado pela falta de regras claras de funcionamento da SEAL Team 6.

A publicação norte-americana também nota que as atividades do grupo militar de "elite" na verdade praticamente não são controladas. Um alto oficial militar, que pediu o anonimato, disse que o Comando de Operações Especiais Conjuntas (JSOC na sigla em inglês) dos EUA, que é responsável pela SEAL Team 6, é virtualmente independente, e os políticos, por sua vez, não estão interessados nas atividades da unidade.



Postar um comentário

Postagens mais visitadas