Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Vídeo mostra momento do encontro do submarino argentino Ara San Juan

Profissionais que operavam um dos veículos submarinos foram os primeiros a ver em tela as imagens da embarcação, que estava desaparecida desde 15 de novembro do ano passado. Submarino foi localizado a 907 metros de profundidade.
Por G1

Um vídeo divulgado neste domingo (18) mostra as primeiras imagens do submarino Ara San Juan, no momento em que profissionais da empresa Ocean Infinity o localizaram. O encontro foi anunciado pela Marinha da Argentina na madrugada de sábado.


No vídeo é possível ver quando a equipe que opera um dos veículos que fazia as buscas vê a embarcação pela primeira vez em uma região de cânions (espécie de rios submarinos), a 907 metros de profundidade, e a 600 km da cidade de Comodoro Rivadavia.

O Ara San Juan desapareceu em 15 de novembro de 2017, com 44 pessoas a bordo, e sofreu uma "implosão" no fundo das águas do Oceano Atlântico.

Segundo Enrique Balbi, porta-voz da Marinha, a proa, a popa e a vela se desprenderam do submarino e estão localizadas em uma á…

Não é preciso instalar armas da OTAN porque não há ameaça russa, diz político polonês

Janusz Korwin-Mikke, membro do parlamento da União Europeia pela Polônia afirmou que não vê necessidade de a OTAN instalar equipamento militar pesado na Polônia.


Sputnik

O político polonês disse à Sputnik nesta terça-feira que a Polônia não precisa de armas americanas no seu território porque este não é ameaçado pela Rússia. 


“Marcha de dragões” do OTAN na Europa
© REUTERS/ Ints Kalnins

Anteriormente a mídia estadunidense informou que o Pentágono considera colocar material bélico pesado nos países do Leste europeu e nos países bálticos.

“Não me sinto em perigo ou ameaçado pela Rússia ou algum outro país e não vejo necessidade de o equipamento militar da OTAN armazenado no meu país”, disse Korwin-Mikke.

A OTAN está aumentando a sua presença militar perto das fronteiras russas na sequência da reunificação da Crimeia com a Rússia após o referendo em março de 2014. A Aliança acusou a Rússia de anexão ilegal da península e fornecimento de apoiou militar às milícias de Donbass que neste momento estão em conflito com as autoridades oficiais da Ucrânia.

Moscou negou repetidamente as acusações da OTAN e manifestou preocupação com a expansão do bloco militar e o aumento da sua presença junto às fronteiras russas.


Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas