Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Qual será resposta síria a novos mísseis 'inteligentes' dos EUA?

A cada declaração do presidente dos EUA, Donald Trump, sobre seus "mísseis inteligentes", os sistemas de defesa antiaérea sírios terão sua própria resposta de mísseis, o que foi demonstrado pelo país em 14 de abril, assegurou à Sputnik o membro do Conselho Público junto ao Ministério da Defesa da Rússia, Igor Korotchenko.
Sputnik

Mais cedo, Sergei Rudskoy, chefe da Direção-Geral Operacional do Estado-Maior das Forças Armadas russas, disse aos jornalistas que os especialistas russos tinham detectado evidências de 22 mísseis terem atingido alvos, de um total de 105 anunciados pelos EUA, na sequência do ataque aéreo dos EUA e seus aliados.


"Os mísseis podem ser 'inteligentes', mas os sistemas da defesa antiaérea podem ser eficientes, por isso, para cada míssil 'astuto' haverá um míssil guiado, o que foi demonstrado pelo ótimo treinamento profissional dos soldados sírios. Nas declarações de Trump há muita publicidade, e para cada tweet de Trump sobre seus '…

ONU não tolera sexo entre militares e haitianos, adverte comandante brasileiro

Relatório revela suposto envolvimento de militares com prostitutas e abusos sexuais de moradores locais


Jailton de Carvalho | O Globo

BRASÍLIA - Comandante da Missão de Paz no Haiti, o general José Luiz Jaborandy Júnior reagiu à divulgação de um relatório da ONU sobre suposto envolvimento de militares com casos de abusos sexuais de haitianos. O general disse que não teve acesso ainda ao documento, mas deixou claro que, se as acusações tiverem consistência, serão abertas as devidas investigações.

— Quando há denúncia de abuso sexual é aberta uma investigação pelo corpo civil e militar da missão. Em havendo indícios de relacionamento, consentido ou não, o processo é enviado para o país contribuinte da tropa. É o país que abre sua própria investigação e mantém a ONU informada — afirmou o general.


Comandante brasileiro José Luiz Jaborandy diz que ONU não tolera sexto entre militares e haitianos - Divulgação/Ministério da Defesa

A partir das denúncias, cabe às instituições de cada país determinar o grau de responsabilidade dos envolvidos e as devidas punições. As violações teriam ocorrido entre 2008 e 2013, ou seja, num período anterior a chegada de Jaborandy ao Haiti. O general, que assumiu o comando da Missão de Paz no início do ano passado, afirma, no entanto, que não aceita em hipótese alguma que integrantes das tropas mantenham relações sexuais com moradores locais — não importa idade ou sexo.

Segundo o general, esta é uma regra da ONU para todas as missões de paz e que ele, à frente da Missão no Haiti, exige rigoroso cumprimento das normas. Desde que assumiu o comando das tropas, não há denuncias de abusos sexuais.

— Existe na ONU um programa de tolerância zero (contra relacionamento sexual de integrantes da missão de paz com moradores locais) com o qual eu estou de acordo.Levamos isso extremamente a sério — afirmou.

O general reclamou ainda da divulgação de fotos de militares brasileiros para ilustrar reportagens sobre o relatório atribuído à ONU. Segundo ele, não há, até o momento, referência ao envolvimento de brasileiros nas violações. Ele lembra ainda que a Missão de Paz é formada por policiais e civis e não apenas por militares. Seria um erro, portanto, vincular as acusações exclusivamente a militares.

— Infelizmente, toda vez que fazem matéria se referem a tropas e colocam fotos de militares. A colocação de fotos de militares brasileiros, com a bandeira do Brasil, foi duplamente infeliz — queixou-se o general.

Trechos do relatório foram divulgados pela Reuters. O documento oficial só deve ser divulgado no próximo dia 16.


Postar um comentário