Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que negociações entre Washington e Pyongyang estão condenadas ao fracasso?

Em vez de proferir mais ameaças, a administração Trump deve mostrar que é um parceiro de negociação confiável, escreve o The National Interest, acrescentando que é importante enviar sinais claros agora.
Sputnik

O presidente norte-americano Donald Trump continua tratando a sua administração como uma brigada de salvamento para a diplomacia internacional, mas os norte-coreanos não são estúpidos e não confiam em promessas, afirma o autor do The National Interest Doug Bandow no seu recente artigo.


"O desmantelamento nuclear da Líbia, em muito forçado pelos EUA no passado, se revelou um modo de agressão por meio da qual os norte-americanos convenceram os líbios com tais palavras doces como 'garantia de segurança' e 'melhoramento das relações' para desarmar o país e depois destruí-lo pela força", conforme notou o Ministério das Relações Exteriores da Coreia do Norte, acrescentando que os norte-coreanos percebem as intenções dos EUA.

O autor, lembrando o caso da Líbia, …

Os EUA se dizem surpreendidos pela política da Rússia em relação à Ucrânia

A política da Rússia em relação à Ucrânia foi uma surpresa para os EUA, disse o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Ashton Carter.


Sputnik

"Nós não queremos estes novos desafios, porque nos últimos 15 anos temos estado muito ocupados. Nós tivemos o Iraque e o Afeganistão, nós tivemos um monte de coisas para fazer. Mas, de repente, surgiu este comportamento da Rússia", disse o chefe do Pentágono dirigindo-se às tropas dos EUA na Estônia e aos soldados que participaram nos exercícios BALTOPS, da OTAN, no mar Báltico.


O secretário da Defesa dos EUA, Ashton Carter
Ashton Carter © AP Photo/ Martin Meissner

Ele também anunciou que os EUA enviarão armas pesadas, incluindo tanques e veículos blindados, para seis países da Europa Central e do Leste Europeu: Bulgária, Estônia, Letônia, Lituânia, Polônia e Romênia. O anúncio foi feito em Tallinn, capital da Estônia, por Ashton Carter, ao lado de ministros da Defesa da Estônia, da Letônia e da Lituânia. "Não procuramos uma guerra fria e muito menos quente com a Rússia, mas vamos defender nossos aliados", disse Carter.

Segundo Carter, o material bélico vai circular na região e será usado para treinamento e exercícios militares. "Os equipamentos não são estáticos. A finalidade é permitir uma melhor formação e maior mobilidade às forças na Europa", disse Carter. A embaixada dos EUA em Varsóvia afirmou que o deslocamento é temporário.

Tudo isso é feito sob o pretexto da intervenção russa no conflito ucraniano. No entanto, o anúncio de que os EUA vão instalar armas pesadas nos países bálticos é visto por muitos como um passo altamente provocativo em relação à Rússia. Vale lembrar o fato de que a Rússia nunca foi a iniciadora do agravamento das relações bilaterais. As autoridades russas reiteram que não é a Rússia quem se aproxima das fronteiras da OTAN, mas é a aliança que está se aproximando das fronteiras da Federação da Rússia. Estados Unidos esqueceram a sua promessa de que a OTAN não iria expandir para o Leste.

Todos esses passos, como a acumulação de forças da OTAN na Europa Oriental, e planos dos EUA sobre o envio de armas não letais para a Ucrânia, são criticados na Rússia. O porta-voz do presidente russo, Dmitry Peskov, disse que as medidas "certamente não contribuem nem para o reforço de confiança, nem para a redução das tensões no conflito". Eis a opinião do próprio Vladimir Putin: "A crise ucraniana não surgiu pela culpa da Rússia. Foi o resultado de tentativas dos EUA e seus aliados ocidentais impor a sua vontade em todos os lugares do mundo".

As autoridades da Rússia têm afirmado repetidamente que o país não tem nada a ver com o conflito ucraniano, que teve lugar em Donbass. O presidente russo, Vladimir Putin tem dito repetidamente que ele apoia a solução pacífica da situação no sudeste da Ucrânia, observando que a UE e os Estados Unidos têm uma influência sobre Kiev, mas ignoram as ações das novas autoridades ucranianas.


Postar um comentário