Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que negociações entre Washington e Pyongyang estão condenadas ao fracasso?

Em vez de proferir mais ameaças, a administração Trump deve mostrar que é um parceiro de negociação confiável, escreve o The National Interest, acrescentando que é importante enviar sinais claros agora.
Sputnik

O presidente norte-americano Donald Trump continua tratando a sua administração como uma brigada de salvamento para a diplomacia internacional, mas os norte-coreanos não são estúpidos e não confiam em promessas, afirma o autor do The National Interest Doug Bandow no seu recente artigo.


"O desmantelamento nuclear da Líbia, em muito forçado pelos EUA no passado, se revelou um modo de agressão por meio da qual os norte-americanos convenceram os líbios com tais palavras doces como 'garantia de segurança' e 'melhoramento das relações' para desarmar o país e depois destruí-lo pela força", conforme notou o Ministério das Relações Exteriores da Coreia do Norte, acrescentando que os norte-coreanos percebem as intenções dos EUA.

O autor, lembrando o caso da Líbia, …

Putin: OTAN é que se aproxima da Rússia, não o contrário

São as forças da OTAN que se aproximam das fronteiras da Rússia, e não o contrário. Por isso, o Kremlin se verá obrigado a orientar suas forças militares contra as regiões que são foco de ameaça, declarou o presidente da Rússia, Vladimir Putin.


Sputnik

"Se alguém representa ameaça a alguma parte de nosso território, nós respetivamente teremos que orientar as nossas Forças Armadas, nossos meios modernos de ataque contra as regiões que são foco de ameaça", disse Putin, antes de adicionar: "E de que outra forma poderia ser? É a OTAN que vem se aproximando de nossas fronteiras, e não nós que avançamos." Estas declarações foram feitas em uma entrevista coletiva ao fim de sua reunião com o presidente finlandês, Sauli Niinisto, que está de visita a Moscou.


Exercícios da OTAN na Lituânia
Exercício da OTAN na Lituânia © AP Photo/ Mindaugas Kulbis

A Rússia já expressou repetidas vezes sua preocupação pelo fortalecimento da presença militar da OTAN perto de suas fronteiras.

Nesta terça-feira, na Estônia, foi inaugurado um centro de comando da OTAN que entrará em funcionamento em junho do próximo ano. Nele estarão soldados de EUA, Holanda, Canadá, Noruega, Polônia, França, Alemanha, Grã-Bretanha e Hungria.

Em março, a Estônia abrigou tanques e equipamentos militares americanos em seu território para a realização de manobras militares. Em fevereiro, os ministros da Defesa dos países da OTAN decidiram estabelecer seis unidades de comando na Estônia, Bulgária, Letônia, Lituânia, Polônia e Romênia. O objetivo é assegurar que as forças da Aliança possam "atuar de forma unificada desde o início" no caso de uma crise.

Anteriormente, na terça-feira, o vice-ministro da Defesa da Rússia Anatoly Antonov manifestou que a OTAN está arrastando a Rússia para uma nova corrida armamentista.



Postar um comentário