Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Força Aérea israelense anuncia estreia global do caça F-35 em combate

Israel foi o primeiro país ao qual os Estados Unidos autorizaram a venda do caça invisível
Juan Carlos Sanz | El País
Jerusalém - A Força Aérea de Israel revelou nesta terça-feira que foi a primeira a utilizar em combate o F-35, o ultramoderno caça furtivo indetectável para os radares inimigos. O chefe da aeronáutica israelense, general Amikam Nirkin, fez o comunicado aos comandantes das forças aéreas de vários países reunidos ao norte de Tel Aviv.

O general Nirkin mostrou a seus colegas – procedentes dos EUA, Itália, França, Índia e Brasil, entre outros países – a imagem de vários F-35 sobre Beirute, enquanto confirmava que esses aviões tinham participado de ataques em duas frentes.

“O esquadrão do F-35 está em operação e já sobrevoa todo o Oriente Médio”, afirmou o chefe da força aérea.

Nirkin reiterou que, há duas semanas, a Guarda Revolucionária iraniana disparou 32 foguetes contra as Colinas de Golã, planalto sírio ocupado por Israel desde 1967 e que, em resposta à agressão, a aviação…

Representantes permanentes dos países da UE aprovam prorrogação das sanções contra Rússia

Representantes permanentes dos países-membros da União Europeia aprovaram a prorrogação por 6 meses das sanções econômicas contra a Rússia, até o final de janeiro de 2016, informou a agência Reuters citando fontes próprias.


Sputnik

O comitê dos representantes permanentes dos países da UE debate nesta quarta-feira a manutenção de medidas restritivas econômicas aplicadas pelo bloco europeu à Rússia e de sanções adotadas contra a Crimeia.


Bandeiras da Rússia e da UE
© Sputnik/ Vladimir Sergeev

Recentemente, o representante permanente do Luxemburgo junto à UE, Christian Brown, informou que as sanções econômicas anti-Rússia, previstas para expirar no final de julho, poderiam ser mantidas por mais seis meses. Esse tempo seria usado para avaliar o cumprimento dos acordos de Minsk sobre a regulação da situação na Ucrânia.

A UE ainda deverá deliberar a data exata de prorrogação das sanções. A decisão formal definitiva sobre o assunto terá de ser tomada pelo Conselho Ministerial dos países-membros da UE.

As relações entre a Rússia e o Ocidente deterioraram-se por conta da situação na Ucrânia. Em julho do ano passado, a UE e os Estados Unidos aplicaram sanções pontuais contra certos indivíduos e empresas da Rússia. Em seguida, foram implementadas medidas restritivas em relação a setores inteiros da economia russa. Em resposta, a Rússia restringiu a importação de produtos alimentares de países que impuseram as sanções. Moscou tem afirmado repetidamente que não tem interferência no conflito interno ucraniano e possui interesse na resolução pacífica do conflito.

Os Acordos de Minsk, assinados pelo “quarteto da Normandia” (Alemanha, Rússia, França e Ucrânia) em 12 de fevereiro de 2014, preveem a retirada de tropas e o cessar-fogo completo, mas os representantes de Donetsk e Lugansk têm repetidamente declarado que Kiev viola os acordos.


Postar um comentário