Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Representantes permanentes dos países da UE aprovam prorrogação das sanções contra Rússia

Representantes permanentes dos países-membros da União Europeia aprovaram a prorrogação por 6 meses das sanções econômicas contra a Rússia, até o final de janeiro de 2016, informou a agência Reuters citando fontes próprias.


Sputnik

O comitê dos representantes permanentes dos países da UE debate nesta quarta-feira a manutenção de medidas restritivas econômicas aplicadas pelo bloco europeu à Rússia e de sanções adotadas contra a Crimeia.


Bandeiras da Rússia e da UE
© Sputnik/ Vladimir Sergeev

Recentemente, o representante permanente do Luxemburgo junto à UE, Christian Brown, informou que as sanções econômicas anti-Rússia, previstas para expirar no final de julho, poderiam ser mantidas por mais seis meses. Esse tempo seria usado para avaliar o cumprimento dos acordos de Minsk sobre a regulação da situação na Ucrânia.

A UE ainda deverá deliberar a data exata de prorrogação das sanções. A decisão formal definitiva sobre o assunto terá de ser tomada pelo Conselho Ministerial dos países-membros da UE.

As relações entre a Rússia e o Ocidente deterioraram-se por conta da situação na Ucrânia. Em julho do ano passado, a UE e os Estados Unidos aplicaram sanções pontuais contra certos indivíduos e empresas da Rússia. Em seguida, foram implementadas medidas restritivas em relação a setores inteiros da economia russa. Em resposta, a Rússia restringiu a importação de produtos alimentares de países que impuseram as sanções. Moscou tem afirmado repetidamente que não tem interferência no conflito interno ucraniano e possui interesse na resolução pacífica do conflito.

Os Acordos de Minsk, assinados pelo “quarteto da Normandia” (Alemanha, Rússia, França e Ucrânia) em 12 de fevereiro de 2014, preveem a retirada de tropas e o cessar-fogo completo, mas os representantes de Donetsk e Lugansk têm repetidamente declarado que Kiev viola os acordos.


Postar um comentário