Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Super Tucano em teste pela Força Aérea dos EUA sofre acidente

Queda sem causa ainda definida é má notícia para a fabricante brasileira, que disputa concorrência com americanos
Igor Gielow | Folha de S.Paulo

Um turboélice A-29 Super Tucano, fabricado pela Embraer, caiu durante um exercício de ataque leve conduzido pela Força Aérea dos EUA em um campo de provas do Novo México, na sexta (22).

Dois tripulantes conseguiram se ejetar. Segundo comunicado da base de Holloman, um dele se feriu levemente e foi medicado, enquanto não há detalhes do estado do segundo. A causa do acidente não foi divulgada.

O avião participa da fase final da competição para fornecimento de aviões leves para missões de ataque a solo e reconhecimento. Inicialmente, os EUA querem adquirir 15 unidades, para depois expandir a até 120. Elas servirão para substituir o famoso A-10 Warthog (Javali, em inglês), um modelos subsônico a jato fortemente armado e blindado que opera desde 1977.

Os americanos estão procurando opções mais econômicas para a missão. Enquanto um A-10 tem sua hora-voo…

Sessentona, a ‘Imperial dos Mares’ deixa o setor operativo para virar guardiã da memória da Marinha

Poder Naval

Uma portaria do Comandante da Marinha, almirante-de-esquadra Eduardo Leal Ferreira, datada da última sexta-feira, 5 de junho, determinou a baixa da corveta Imperial Marinheiro (V15) – navio de construção holandesa que a MB incorporou em 1955 – e redefiniu seu destino: a partir de 5 de agosto, o navio, que cumpriu uma das trajetórias mais ecléticas da Força Naval brasileira, continuará prestando serviço como navio-museu na área do 5º Distrito Naval.

Conhecida entre seus tripulantes como a “Imperial dos Mares”, a corveta desloca pouco mais de 900 toneladas.


Imperial Marinheiro - foto NGB

Em seus 60 anos de travessias, prontidões, patrulhamentos e salvamentos, ela esteve alocada à Força de Submarinos – como navio de apoio aos submarinos –, foi empenhada em diversas edições da Operação Unitas, atuou como navio do SALVAMAR e cumpriu papel relevante em missões de cooperação com a Força Aérea Brasileira e com o Exército.

Nos últimos 31 anos a Imperial Marinheiro integrou a flotilha do Grupamento Naval do Sul.

O Poder Naval se congratula com um navio que é símbolo do espírito de sacrifício e permanente estado de prontidão dos nossos militares do mar.

Bravo Zulu!

Abaixo reproduzimos o texto da portaria de 5 de junho:

COMANDO DA MARINHA

GABINETE DO COMANDANTE

PORTARIA N 249/MB, DE 5 DE JUNHO DE 2015

Baixa do Serviço Ativo da Armada da Corveta “Imperial Marinheiro” e dá outras providências.

O COMANDANTE DA MARINHA, no uso das atribuições que lhe conferem o art. 4º da Lei Complementar nº 97, de 9 de junho de 1999, alterada pela Lei Complementar nº 136, de 25 de agosto de 2010, e o art. 26, inciso V, do Anexo I ao Decreto nº 5.417, de 13 de abril de 2005, resolve:
Art. 1º. Dar baixa do Serviço Ativo da Armada na Corveta “Imperial Marinheiro”.
Art. 2º. O casco da Corveta “Imperial Marinheiro” deverá ser convertido em Navio-Museu, mantendo sua subordinação ao Com5ºDN.
Art. 3º. O ComOpNav baixará os atos complementares que se fizerem necessários à execução desta Portaria.
Art. 4º. Esta Portaria entra em vigor no dia 3 de agosto de 2015.

EDUARDO BACELLAR LEAL FERREIRA


Postar um comentário

Postagens mais visitadas