Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Sessentona, a ‘Imperial dos Mares’ deixa o setor operativo para virar guardiã da memória da Marinha

Poder Naval

Uma portaria do Comandante da Marinha, almirante-de-esquadra Eduardo Leal Ferreira, datada da última sexta-feira, 5 de junho, determinou a baixa da corveta Imperial Marinheiro (V15) – navio de construção holandesa que a MB incorporou em 1955 – e redefiniu seu destino: a partir de 5 de agosto, o navio, que cumpriu uma das trajetórias mais ecléticas da Força Naval brasileira, continuará prestando serviço como navio-museu na área do 5º Distrito Naval.

Conhecida entre seus tripulantes como a “Imperial dos Mares”, a corveta desloca pouco mais de 900 toneladas.


Imperial Marinheiro - foto NGB

Em seus 60 anos de travessias, prontidões, patrulhamentos e salvamentos, ela esteve alocada à Força de Submarinos – como navio de apoio aos submarinos –, foi empenhada em diversas edições da Operação Unitas, atuou como navio do SALVAMAR e cumpriu papel relevante em missões de cooperação com a Força Aérea Brasileira e com o Exército.

Nos últimos 31 anos a Imperial Marinheiro integrou a flotilha do Grupamento Naval do Sul.

O Poder Naval se congratula com um navio que é símbolo do espírito de sacrifício e permanente estado de prontidão dos nossos militares do mar.

Bravo Zulu!

Abaixo reproduzimos o texto da portaria de 5 de junho:

COMANDO DA MARINHA

GABINETE DO COMANDANTE

PORTARIA N 249/MB, DE 5 DE JUNHO DE 2015

Baixa do Serviço Ativo da Armada da Corveta “Imperial Marinheiro” e dá outras providências.

O COMANDANTE DA MARINHA, no uso das atribuições que lhe conferem o art. 4º da Lei Complementar nº 97, de 9 de junho de 1999, alterada pela Lei Complementar nº 136, de 25 de agosto de 2010, e o art. 26, inciso V, do Anexo I ao Decreto nº 5.417, de 13 de abril de 2005, resolve:
Art. 1º. Dar baixa do Serviço Ativo da Armada na Corveta “Imperial Marinheiro”.
Art. 2º. O casco da Corveta “Imperial Marinheiro” deverá ser convertido em Navio-Museu, mantendo sua subordinação ao Com5ºDN.
Art. 3º. O ComOpNav baixará os atos complementares que se fizerem necessários à execução desta Portaria.
Art. 4º. Esta Portaria entra em vigor no dia 3 de agosto de 2015.

EDUARDO BACELLAR LEAL FERREIRA


Postar um comentário