Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Submarino argentino ARA ‘Salta’ ganha radar de navegação (chinês)

Poder Naval

Dezesseis meses depois de quase ter provocado uma tragédia, ao incursionar semi-submerso pela área costeira onde se desenvolvia uma regata para adolescentes, defronte à base naval de Mar del Plata (414 km ao sul de Buenos Aires), o submarino argentino S-31 Salta – um antiquado modelo IKL-209/1200, veterano da Guerra das Malvinas – vai, finalmente, ganhar um novo radar de navegação.

A Marinha platina está concluindo o processo licitatório que lhe permitirá adquirir o equipamento. Em função das características requeridas – e da limitação de verbas da corporação – o mais provável é que os chefes navais locais se contentem com um modelo chinês não-militarizado Raymarine RD418D, de tipo compacto (9,5 kg), funcionamento integrado a GPS e alcance máximo de 48 milhas náuticas (pouco mais de 86 km).

Fabricado na primeira metade dos anos de 1970, época em que foi dotado de um radar de navegação e detecção de alvos aéreos a baixa altitude Thomson-CSF Calypso II, o Salta passou por um longo período de manutenção, em 2013, no SPI Astilleros, de Mar del Plata.

Optimist Timoneles 


Em 2014 o navio deu início às provas de mar que o qualificariam para a volta às operações normais.

Entretanto, na manhã da quinta-feira, 6 de fevereiro, ele, inadvertidamente, penetrou, semi-submerso – mas a uma velocidade muito baixa (inferior a 9 nós) –, o perímetro da 49ª Semana del Yatch – que aquele dia previa a competição Optimist Timoneles, de barcos à vela pequeno porte, tripulados por iatistas na faixa dos 12 aos 15 anos de idade.

A regata se desenvolvia bem defronte ao canal de acesso à base naval de Mar del Plata, eu sedia a Força de Submarinos da Flota de Mar (Esquadra) argentina.

A aparição do navio deixou desconcertados os 150 jovens que haviam atendido ao convite para o torneio.



O Salta enganchou numa das bóias que delimitava a raia da competição, e, arrastando-a, passou a poucos metros da embarcação cuja vela tinha o número 18917, tripulada por um competidor dos Estados Unidos.

O incidente provocou a suspensão das atividades esportivas e, mais tarde, uma onda de furiosas críticas à Marinha argentina.

O Ministério da Defesa defendeu o comandante do barco, alegando que ele recebera autorização da Prefectura Naval (Guarda Costeira argentina) para transitar pela área do canal de acesso à base naval naquele horário. A Prefectura alegou desconhecer o evento esportivo.


Postar um comentário