Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

'Fora do normal': OTAN teria usado armas climáticas para atingir êxito em operação militar

Uma das teorias de conspiração mais populares é a possível influência humana no clima com armas de tecnologia de última geração. Neste contexto, ganhou talvez o maior destaque o projeto HAARP dos EUA. Oficial da Força Aérea russa e meteorologista, Yevgeny Tishkovetz, contou para a Sputnik até que ponto os humanos podem mudar condições climáticas.
Sputnik

O HAARP (High Frequency Active Auroral Research Program, em inglês) é um projeto financiado pelas Forças Armadas dos EUA que visa estudar a ionosfera para aperfeiçoamento de suas capacidades de comunicação por rádio e dos sistemas de vigilância com ajuda de tecnologias de ponta.


Há uma teoria de que o sistema HAARP teria sido utilizado na operação militar da OTAN na Iugoslávia em 1999. Yevgeny Tishkovetz, meteorologista do centro Fobos e ex-chefe do serviço meteorológico do Ministério da Defesa russo, disse à Sputnik Sérvia que o sistema pode ter sido realmente usado na Iugoslávia.

Segundo o oficial, a Aliança não tinha como realizar seus…

Trégua inalcançável no Oriente Médio: partes não querem nem falar entre si

Mesmo durante a conferência em Genebra, a trégua não chega ao Iêmen.


Sputnik

Nesta terça-feira, uma delegação dos rebeldes houthis deve chegar à Suíça para participar das negociações sobre a paz, convocadas pela ONU em Genebra. Além deles, outros grupos de oposição iemenita irão participar do diálogo.


Mapa do Iêmen em uma sala destinada às negociações na sede da ONU em Genebra, em 15 de junho
© AFP 2015/ FABRICE COFFRINI

No entanto, os bombardeios da coalizão árabe não cessam apesar dos apelos à paz da ONU. Além disso, as partes nem mostram sinais de vontade de dialogar.

"Falando simplesmente, tem duas salas e um moderador especial irá se deslocar entre elas", informou uma fonte no Estado-Maior general das Nações Unidas em Genebra.

As negociações começaram com um atraso de mais de uma semana, devido à hesitação tanto do governo iemenita no exílio, de Abd Rabbo Mansour Hadi, como das frações da oposição, inclusive o movimento Ansar Allah (houthis), o Congresso Geral dos Povos (GPC, na sigla em inglês), do ex-presidente iemenita, Ali Abdullah Saleh, e outras.

Vários observadores comentam que as negociações com moderação internacional não contribuirão muito para a pacificação do conflito no Iêmen, pois trata-se de interferência externa. E o conflito já conta com uma intervenção externa, visto que o país é bombardeado por uma coalizão internacional liderada pela Arábia Saudita e com o apoio dos Estados Unidos.

A opção mais relevante seria a mais drástica (para as partes): cessar os combates por um período e sentar-se à mesa do diálogo nacional. Talvez fosse é o que deveria fazer a Arábia Saudita, em vez de lançar campanha militar a pedido do presidente exilado contra o próprio país dele.

Mas como fazê-lo se as partes se recusam a falar cara a cara e se os países já envolvidos nas ações militares no Iêmen não querem deixar de combater?


Postar um comentário