Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Águas 'quentes' da Síria: fragata russa persegue submarino nuclear dos EUA

Durante sua última missão no mar Mediterrâneo em abril passado, a fragata Admiral Essen da Marinha russa conseguiu detectar e perseguir um submarino nuclear dos EUA perto da costa síria. Essa informação foi só agora tornada pública.
Sputnik

A fragata Admiral Essen, pertencente à Frota do Mar Negro, perseguiu o submarino estadunidense da classe Ohio durante mais de duas horas, comunica o jornal russo Izvestiya, citando o Estado-Maior da Marinha russa.

A tripulação do navio russo registrou os parâmetros principais do submarino para, em seguida, os adicionar ao retrato acústico do submersível.

A fragata havia partido para o mar Mediterrâneo em março e regressou à base de Sevastopol no fim de junho. Encontrava-se na zona costeira síria quando os EUA, o Reino Unido e a França atacaram a Síria com mísseis.

Além disso, no decurso da missão, a sua tripulação realizou uma série de manobras táticas. Em particular, treinou ataques contra alvos marítimos e aéreos, combate em grupo e isolado, bem como…

Vice-ministro da Defesa da Rússia: OTAN está empurrando Moscou para corrida armamentista

Os países da OTAN estão provocando a Rússia para uma nova corrida armamentista, segundo disse hoje (16) à Sputnik o vice-ministro da Defesa russo Anatoly Antonov.


Sputnik

Mais cedo nesta terça-feira, a secretário da Força Aérea dos EUA, Deborah Lee James, disse em Paris que os EUA poderiam aumentar ainda mais o número de suas forças de rotação na Europa em meio a uma suposta “ameaça” representada pela Rússia. Na mesma declaração, ela admitiu que, com tais “razões” em mente, Washington considera inclusive a possibilidade de implantar caças furtivos F-22 Raptor na Europa.




Para Antonov, entrevistado nos arredores de Moscou às margens do fórum militar internacional Army-2015, os comentários de Lee James precisam ser vistos “junto com outras declarações deste tipo que têm sido feitas muitas vezes nos últimos tempos”.

O vice-ministro lembrou particularmente que, há apenas dois dias, houve anúncios “pouco claros” a respeito de mísseis nucleares dos EUA e da possibilidade de o Pentágono implantar armas pesadas em alguns países da Europa Oriental, bem como nos países bálticos.

“Há uma sensação de que os nossos colegas dos países da OTAN estão nos empurrando para uma corrida armamentista", concluiu Antonov.



Postar um comentário

Postagens mais visitadas