Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

'Sangue e caos': príncipe saudita chama Trump de 'oportunista' por decisão sobre Jerusalém

O ex-chefe da inteligência saudita, o Príncipe Turki al-Faisal, criticou o reconhecimento do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de Jerusalém como a capital de Israel, em uma das mais acentuadas reações do reino aliado de Washington no Oriente Médio.
Sputnik

Em uma carta a Trump publicada em um jornal saudita nesta segunda-feira, o príncipe Turki, um ex-embaixador em Washington que agora não ocupa nenhum cargo do governo, mas continua influente, chamou a decisão de uma estratagema política doméstica que provocaria violência.


"O derramamento de sangue e o caos definitivamente seguirão sua tentativa oportunista de ganhar eleitoralmente", escreveu o príncipe Turki em uma carta publicada no jornal saudita al-Jazeera.

Trump inverteu décadas de política dos EUA e virou do consenso da crítica internacional na semana passada, reconhecendo Jerusalém como a capital de Israel. A maioria dos países diz que o status da cidade deve ser deixado para negociações entre Israel e os pales…

Alemanha aprova controversa entrega de armas para a região do Golfo

O Conselho Federal de Segurança da Alemanha autorizou a exportação de quinze barcos de patrulha do país para a Arábia Saudita, bem como a entrega de dois tanques para o Catar e Omã. O ato é considerado controverso, visto que a Arábia Saudita é notória por violações maciças aos direitos humanos, segundo relatou o jornal alemão Die Welt.


Sputnik

O Conselho de Segurança Federal da Alemanha comprovadamente aprovou vastas exportações de armas para a região do Golfo, o que gerou críticas por parte da oposição política ao governo, escreve o Die Welt.


A Arábia Saudita é notória por diversos abusos contra os direitos humanos
Arábia Saudita © flickr.com/ hamza82

De acordo com o jornal, a Alemanha permitiu a exportação de quinze barcos de patrulha para a Arábia Saudita, país notório por maciças violações dos direitos humanos. Além disso, o país árabe rico em petróleo é considerado um terreno fértil para o terrorismo internacional.

A oposição na Alemanha tem repetidas vezes criticado contratos versando sobre armas com a Arábia Saudita, apontando para o fato de que o equipamento militar pode ser usado para suprimir civis inocentes, e pedindo o fim imediato de todas as exportações de armas para a Riyadh.

No entanto, os deputados do Bundestag (Parlamento alemão) argumentaram que o país saudita precisa de barcos apenas para auto-defesa e que alguns dos veículos são equipados unicamente com armas defensivas.

O Conselho Federal de Segurança também relatou ter dado o sinal verde para o fornecimento de dois tanques de batalha para o Catar e Omã e aprovou exportações de armas para uma série de outros países como Egito, Argélia e Emirados Árabes Unidos.



Postar um comentário