Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA confirmam linha estratégica de 'desmembramento da Síria', diz analista

Os EUA declararam que não querem restaurar as regiões na Síria que estão sob o controle de Damasco. O especialista Vladimir Fitin explica na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik o que busca Washington.
Sputnik

Os EUA não querem ajudar na reconstrução das regiões na Síria que ficam sob o controle do presidente sírio Bashar Assad, declarou um alto funcionário dos EUA após o primeiro dia do encontro dos ministros das Relações Exteriores do G7.


Em janeiro, o Departamento de Estado dos EUA afirmou que Washington não iria ajudar a Rússia, o Irã e Damasco oficial na restauração do país, enquanto a "transformação política" da Síria não se realizasse. Segundo declarou o assistente adjunto do secretário de Estado dos EUA para o Médio Oriente, David Satterfield, a condição da ajuda é a reforma constitucional e eleições sob os auspícios da ONU.

O analista do Instituto dos Estudos Estratégicos da Rússia, Vladimir Fitin, na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik comentou a decla…

Curdos recusam 7 mil peshmergas preparados pelos EUA

No Curdistão iraquiano está aumentando o conflito entre os 7 mil combatentes peshmerga, preparados por instrutores dos EUA, e os curdos, que consideram os peshmerga “inúteis”.


Sputnik

A solução de preparar combatentes no Iraque foi decidida pelo governo dos Estados Unidos nos primeiros meses críticos de luta com o Estado Islâmico. Um grupo de 7 mil pessoas foi treinada para substituir combatentes em caso de ofensiva contra Mossul, prevista para a primavera deste ano, mas que foi adiada.


Curdos atacam o Estado Islâmico
Soldados curdos © AP Photo/ STR

Agora nenhum dos partidos no poder, nem no Curdistão iraquiano, nem no Curdistão sírio, está interessado neles, porque o surgimento de unidades militares que não estão ligadas por laços de lealdade com os partidos pode violar a estabilidade política na região.

Neste contexto, foi feita uma tentativa de enviar combatentes treinados para a Síria, porque esses batalhões foram constituídos com sírios. Mas essa decisão foi contestada pelas autoridades dos cantões sírios onde domina o Partido da União Democrática, que adverte contra o aparecimento no seu território de outras formações militares com subordinação indeterminada.

Isu Ocalan, vice-chefe do Estado-Maior do cantão de Kobane, disse à Sputnik que a única força militar que realmente existe no Curdistão sírio são as unidades de autodefesa YPG-YPJ.

“De acordo com os princípios que constituem a base do poder político nos cantões, é inaceitável de que outras forças militares estejam presentes em Rojava [Curdistão sírio]. Em Rojava não há peshmerga. Só há peshmergas no Curdistão do Sul [Curdistão iraquiano], onde eles são oficialmente reconhecidos”, disse Ocalan.

Os dois principais objetivos do Curdistão são a independência total e a criação de um Estado curdo independente. E isso define a posição contraditória dos Estados Unidos. O surgimento do Curdistão independente enfraquece o Iraque, considerado aliado dos EUA, e cria dificuldades para a Turquia onde também há territórios habitados por curdos.

Ao mesmo tempo, a política de luta contra o Estado Islâmico cria a necessidade de apoiar o Curdistão, visto que, para mais, os EUA apoiaram durante muitos anos as aspirações separatistas dos curdos no Iraque.



Postar um comentário