Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que negociações entre Washington e Pyongyang estão condenadas ao fracasso?

Em vez de proferir mais ameaças, a administração Trump deve mostrar que é um parceiro de negociação confiável, escreve o The National Interest, acrescentando que é importante enviar sinais claros agora.
Sputnik

O presidente norte-americano Donald Trump continua tratando a sua administração como uma brigada de salvamento para a diplomacia internacional, mas os norte-coreanos não são estúpidos e não confiam em promessas, afirma o autor do The National Interest Doug Bandow no seu recente artigo.


"O desmantelamento nuclear da Líbia, em muito forçado pelos EUA no passado, se revelou um modo de agressão por meio da qual os norte-americanos convenceram os líbios com tais palavras doces como 'garantia de segurança' e 'melhoramento das relações' para desarmar o país e depois destruí-lo pela força", conforme notou o Ministério das Relações Exteriores da Coreia do Norte, acrescentando que os norte-coreanos percebem as intenções dos EUA.

O autor, lembrando o caso da Líbia, …

Curdos recusam 7 mil peshmergas preparados pelos EUA

No Curdistão iraquiano está aumentando o conflito entre os 7 mil combatentes peshmerga, preparados por instrutores dos EUA, e os curdos, que consideram os peshmerga “inúteis”.


Sputnik

A solução de preparar combatentes no Iraque foi decidida pelo governo dos Estados Unidos nos primeiros meses críticos de luta com o Estado Islâmico. Um grupo de 7 mil pessoas foi treinada para substituir combatentes em caso de ofensiva contra Mossul, prevista para a primavera deste ano, mas que foi adiada.


Curdos atacam o Estado Islâmico
Soldados curdos © AP Photo/ STR

Agora nenhum dos partidos no poder, nem no Curdistão iraquiano, nem no Curdistão sírio, está interessado neles, porque o surgimento de unidades militares que não estão ligadas por laços de lealdade com os partidos pode violar a estabilidade política na região.

Neste contexto, foi feita uma tentativa de enviar combatentes treinados para a Síria, porque esses batalhões foram constituídos com sírios. Mas essa decisão foi contestada pelas autoridades dos cantões sírios onde domina o Partido da União Democrática, que adverte contra o aparecimento no seu território de outras formações militares com subordinação indeterminada.

Isu Ocalan, vice-chefe do Estado-Maior do cantão de Kobane, disse à Sputnik que a única força militar que realmente existe no Curdistão sírio são as unidades de autodefesa YPG-YPJ.

“De acordo com os princípios que constituem a base do poder político nos cantões, é inaceitável de que outras forças militares estejam presentes em Rojava [Curdistão sírio]. Em Rojava não há peshmerga. Só há peshmergas no Curdistão do Sul [Curdistão iraquiano], onde eles são oficialmente reconhecidos”, disse Ocalan.

Os dois principais objetivos do Curdistão são a independência total e a criação de um Estado curdo independente. E isso define a posição contraditória dos Estados Unidos. O surgimento do Curdistão independente enfraquece o Iraque, considerado aliado dos EUA, e cria dificuldades para a Turquia onde também há territórios habitados por curdos.

Ao mesmo tempo, a política de luta contra o Estado Islâmico cria a necessidade de apoiar o Curdistão, visto que, para mais, os EUA apoiaram durante muitos anos as aspirações separatistas dos curdos no Iraque.



Postar um comentário