Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Executiva da Huawei deixa a prisão após pagar fiança no Canadá; ex-diplomata canadense é preso na China

Justiça aceitou pedido da chinesa, que foi detida a pedido dos Estados Unidos e corria risco de extradição. Fiança estipulada fixada em US$ 7,5 milhões.
Por G1

A diretora financeira da Huawei, Meng Wanzhou, foi solta nesta quarta-feira (12) depois de passar 11 dias presa no Canadá.

A executiva teve aceito o pedido de liberdade condicional, por um juiz canadense. O valor da fiança foi fixado em 10 milhões de dólares canadenses (US$ 7,5 milhões).

Meng saiu da prisão poucas horas depois da ordem do juiz, informou o canal Global News.

"O risco de que não se apresente perante o tribunal (para uma audiência de extradição) pode ser reduzido a um nível aceitável, impondo as condições de fiança propostas por seu assessor", disse o juiz, aplaudido na sala do tribunal pelos partidários da empresa chinesa, informa a France Presse.

As condições de libertação incluem a entrega de seus dois passaportes, que permaneça em uma de suas residências de Vancouver e use tornozeleira eletrônica. Além dis…

EUA não querem cooperação técnico-militar do Vietnã com a Rússia

Peritos militares dos EUA têm mostrado interesse crescente no Vietnã à baía Cam Ranh. Contemplam tanto a sua localização geográfica vantajosa perto das ilhas disputadas no Mar da China Meridional, quanto a sua capacidade de receber navios de grande tamanho, incluindo submarinos e porta-aviões, devido às águas muito profundas da baía.


Sputnik

Os norte-americanos estão muito bem informados sobre as vantagens da baía Cam Ranh, porque durante a agressão no Vietnã eles tinham lá uma base militar sua.

A vista para Hanoi
© AFP 2015/ HOANG DINH Nam

Mas não só os americanos. A Rússia também conhece muito bem a baía desde 1905, quando pela primeira vez foram recebidos os navios do Império Russo.

60 anos depois, americanos vieram em Cam Ranh e estabeleceram ali uma base militar, um porto e aeroporto. E em 1979 a União Soviética e o Vietnã assinaram um acordo sobre o uso de Cam Ranh para estacionamento temporário de navios e aeronaves da Marinha Soviética. O assunto da possibilidade de retorno da Rússia a Cam Ranh foi levantada nas negociações dos primeiros-ministros dos dois países em 2012. E logo depois, em 2014 o Vietnã estabeleceu um procedimento que simplifica a entrada dos navios russos à baía.

Tudo isso provocou uma reação negativa dos Estados Unidos que estão procurando aumentar a sua atividade política e presença militar na região do Mar da China Meridional. Estados Unidos pediram que o Vietnã não preste nenhum serviço aos navios e aeronaves russos na baía para evitar tensões.

Esta posição deixou perplexo o Ministério das Relações Exteriores russo, que reagiu assim: "É muito estranho ouvir tais declarações de representantes de um Estado cujas Forças Armadas são implantadas de base permanente em uma série de países da Ásia-Pacífico, e que continua aumentando o seu nível de atividade militar na região".

O especialista militar vietnamita coronel Le The Mau, contatado pela Sputnik, observou que as pretensões dos EUA sobre Cam Ranh são absolutamente infundadas:

"O Vietnã mantém cooperação técnico-militar com muitos países. Mas em primeiro lugar temos a cooperação com a Rússia… Este é o nosso parceiro mais confiável que fornece para o Vietnã armas e equipamentos mais eficazes, submarinos em particular".

"Sabemos muito bem das vantagens estratégicas de Cam Ranh e vamos continuar a usá-la para reforçar a defesa do país. Portanto, nunca permitiremos que qualquer país utilize Cam Ranh contra um país terceiro. O Vietnã é capaz de monitorar a atividade militar no Mar da China Meridional por sua própria conta", frisou o coronel.

Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas