Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA confirmam linha estratégica de 'desmembramento da Síria', diz analista

Os EUA declararam que não querem restaurar as regiões na Síria que estão sob o controle de Damasco. O especialista Vladimir Fitin explica na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik o que busca Washington.
Sputnik

Os EUA não querem ajudar na reconstrução das regiões na Síria que ficam sob o controle do presidente sírio Bashar Assad, declarou um alto funcionário dos EUA após o primeiro dia do encontro dos ministros das Relações Exteriores do G7.


Em janeiro, o Departamento de Estado dos EUA afirmou que Washington não iria ajudar a Rússia, o Irã e Damasco oficial na restauração do país, enquanto a "transformação política" da Síria não se realizasse. Segundo declarou o assistente adjunto do secretário de Estado dos EUA para o Médio Oriente, David Satterfield, a condição da ajuda é a reforma constitucional e eleições sob os auspícios da ONU.

O analista do Instituto dos Estudos Estratégicos da Rússia, Vladimir Fitin, na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik comentou a decla…

EUA perdem base militar perto da Rússia

A partir desta semana, os EUA já não têm base militar no Quirguistão.


Sputnik

Em uma cerimônia solene na segunda-feira, o presidente do Quirguistão, Almazbek Atambaev, fechou o mandato estadunidense no aeroporto de Manas, em Bishkek, capital quirguiz.




A partir de agora, a área outrora ocupada pela base norte-americana pertencerá ao batalhão especial da Guarda Nacional do Quirguistão. O batalhão já tem a bandeira de combate, que o presidente Atambaev entregou.

A decisão é unilateral e partiu do governo quirguiz uns dias depois que o defensor de direitos humanos Azimzhan Askarov fora condecorado, à revelia, com o prêmio do Departamento de Estado dos EUA.

Em 2010, Askarov foi condenado à prisão perpétua por incitação ao ódio racial e homicídio.

O Ministério das Relações Exteriores do Quirguistão tinha prevenido a parte norte-americana da iminência de cisão nas relações bilaterais caso Askarov fosse condecorado, porque isso seria visto como “uma ação premeditada, virada contra o fortalecimento da paz e compreensão interétnica”.

A cisão, no entanto, não é recente. É longa, já que poucos, no país, gostavam de ver a Força Aérea dos EUA pousar e decolar da sua capital. E isso acontecia há cerca de 15 anos, desde 2001, quando as autoridades locais arrendaram uma parte do aeroporto internacional aos EUA.

Então, a base servia para o estacionamento das forças do Pentágono e deslocamento de material bélico e soldados para o Afeganistão, no quadro da operação Liberdade Duradoura (Enduring Freedom).

Em 2008, começou o processo de fechamento da base, já que a guerra no Afeganistão tinha oficialmente terminado.


Postar um comentário