Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Ministro israelense ameaça devolver Líbano à 'Idade da Pedra'

Em entrevista ao portal saudita Elaph, o ministro da Inteligência de Israel, Yisrael Katz, avisou que seu país não hesitará em atacar o Líbano para deter a atividade do grupo xiita libanês Hezbollah, e ameaçou devolver o Líbano à "Idade da Pedra", informou o jornal israelense Haaretz.
Sputnik

Além disso, Katz anunciou que Israel atacará instalações militares do Irã no Líbano: "Temos informações de que o Irã está construindo fábricas de mísseis avançados no Líbano e quero enfatizar que traçamos uma linha vermelha e que não deixaremos que o faça custe o que custar", acrescentou.


Lembrando-se da Segunda Guerra do Líbano em 2006, onde Israel lutou contra o Hezbollah, Katz destacou que os eventos de 11 anos atrás serão um "piquenique" em comparação com o que Israel pode fazer agora.

"Lembro-me de como um ministro saudita disse que devolveria o Hezbollah às suas cavernas no sul do Líbano. Devolveremos o Líbano à Idade da Pedra", declarou o ministro israel…

Força Aérea russa deixará de depender de importações do Ocidente em 2017

O consórcio russo KRET planeja concluir em 2017 o programa de substituição das importações para a aviação diante das sanções impostas por Estados Unidos e União Europeia ao setor por causa da crise ucraniana.


Sputnik

"O programa para suprir as importações das nações da OTAN e da União Europeia, basicamente para a aviação, está avaliado em 18 bilhões de rublos (cerca de US$ 315 milhões) e vai até o ano 2017", ressaltou o diretor geral da empresa, Nikolay Kolesov.


Caza Su-35 durante espectáculo aéreo en el Día de Fuerzas Aéreas
Sukhoi Su-35 © Sputnik/ Artyom Zhitenev

Uma estratégia similar foi desenvolvida para substituir os componentes ucranianos para a aviação e a guerra eletrônica — esse processo deve terminar em 2016.

Kolesov sustentou que após a implementação desses programas, a Rússia deixará de depender das importações ocidentais. Além disso, assegurou que a indústria nacional conta com uma quantidade suficiente de componente importados para cumprir seus contratos.

Por causa da crise na Ucrânia, principalmente após a reintegração de Crimeia, em março de 2014, EUA e União Europeia aprovaram vários pacotes de sanções contra Moscou que restringem importantes consórcios energéticos e de defesa aos mercados europeus.

A medida proíbe também o fornecimento de peças de uso militar à Rússia, assim como de tecnologias-chave e serviços para explorar recursos energéticos.



Postar um comentário