Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que negociações entre Washington e Pyongyang estão condenadas ao fracasso?

Em vez de proferir mais ameaças, a administração Trump deve mostrar que é um parceiro de negociação confiável, escreve o The National Interest, acrescentando que é importante enviar sinais claros agora.
Sputnik

O presidente norte-americano Donald Trump continua tratando a sua administração como uma brigada de salvamento para a diplomacia internacional, mas os norte-coreanos não são estúpidos e não confiam em promessas, afirma o autor do The National Interest Doug Bandow no seu recente artigo.


"O desmantelamento nuclear da Líbia, em muito forçado pelos EUA no passado, se revelou um modo de agressão por meio da qual os norte-americanos convenceram os líbios com tais palavras doces como 'garantia de segurança' e 'melhoramento das relações' para desarmar o país e depois destruí-lo pela força", conforme notou o Ministério das Relações Exteriores da Coreia do Norte, acrescentando que os norte-coreanos percebem as intenções dos EUA.

O autor, lembrando o caso da Líbia, …

Irã quer 100 aviões-tanque russos, diz imprensa de Israel

Na última semana, o Irã fez um pedido de aviões-tanque russos para reabastecer suas aeronaves durante voos, ampliando o alcance dos caças iranianos, afirmou o site israelense de inteligência militar DEBKAfile.


Sputnik

Segundo o DEBKAfile, a aquisição de 100 aviões-tanque russos IL78 MKIs, que podem reabastecer simultaneamente de seis a oito aviões, colocaria Israel e o resto do Oriente Médio no alcance de um ataque aéreo iraniano.


Bombardeiro estratégico Tu-95 sendo reabastecido por uma aeronave Il-78
© Sputnik/ Mikhail Klimentye

Embora o Irã continue sob os efeitos de um embargo armamentista até 2020, segundo o recente acordo nuclear com o P5+1, Moscou vem advogando para suspender o embargo sobre a venda de armas para Teerã.

Entretanto, o DEBKAfile sugere que mesmo se o Irã continuar sob o regime de sanções, Moscou e Teerã podem assinar um acordo sem violar o acordo nuclear.

O negócio seria tão vultoso que fabricantes russos não conseguiriam produzir 100 novos aviões-tanque antes de 2020 e, portanto, a transação não constituiria uma violação.

"A enorme transação militar entre Rússia e Irã, portanto, se apresenta como primeiro teste real do acordo de Viena. Vai depender de se o presidente americano, Barack Obama, ou seu secretário de Estado, John Kerry, quiserem questionar o negócio. Se eles deixarem passar, será um precedente para que a cláusula que estipula o embargo armamentista no acordo nuclear comece a se desfazer", escreveo o DEBKAfile.

Nem Rússia nem Irã confirmam a negociação.



Postar um comentário