Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

EUA confirmam linha estratégica de 'desmembramento da Síria', diz analista

Os EUA declararam que não querem restaurar as regiões na Síria que estão sob o controle de Damasco. O especialista Vladimir Fitin explica na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik o que busca Washington.
Sputnik

Os EUA não querem ajudar na reconstrução das regiões na Síria que ficam sob o controle do presidente sírio Bashar Assad, declarou um alto funcionário dos EUA após o primeiro dia do encontro dos ministros das Relações Exteriores do G7.


Em janeiro, o Departamento de Estado dos EUA afirmou que Washington não iria ajudar a Rússia, o Irã e Damasco oficial na restauração do país, enquanto a "transformação política" da Síria não se realizasse. Segundo declarou o assistente adjunto do secretário de Estado dos EUA para o Médio Oriente, David Satterfield, a condição da ajuda é a reforma constitucional e eleições sob os auspícios da ONU.

O analista do Instituto dos Estudos Estratégicos da Rússia, Vladimir Fitin, na entrevista ao serviço russo da Rádio Sputnik comentou a decla…

Navios antimísseis dos EUA terão resposta russa

A Rússia saberá responder à modernização dos navios de guerra que utilizarão o sistema de defesa antimísseis (DAM) dos Estados Unidos, afirmou nesta terça-feira Oleg Pishni, chefe de departamento do 4º Instituto de Investigações Científicas do Ministério da Defesa russo.


Sputnik

"Certamente, este feito ameaça o componente naval das forças estratégicas russas (…) mas a Rússia saberá responder a essa ameaça", disse Pishni em entrevista coletiva.




Os EUA vão modernizar cerca de 50 navios de sua Marinha para futuramente integrá-los a seu escudo antimísseis para a Europa.

"Segundo os planos anunciados pelos americanos, seriam modernizados 48 ou 49 navios até o ano 2020", afirmou o militar.

Pishni completou: assim, o número de antimísseis modernos passará de 200 unidades.

"Diante dessa situação, a Rússia adotará medidas de caráter técnico adequadas", ressaltou o representante do Ministério da Defesa.

EUA poderiam posicionar novos mísseis na Europa em 2018

"Acompanhamos de perto a criação do escudo antimísseis dos Estados Unidos. Acreditamos que com o tempo aparecerão mísseis da série SM-3 que serão uma ameaça para nosso país. Este ano, realizaram exercícios com o míssil SM-3 bloco 2A, o que já gera preocupação", ressaltou Pishni.

O Ministério da Defesa russo acredita que os Estados Unidos poderiam posicionar esses mísseis na Polônia e na Romênia em 2018.

A questão do escudo antimísseis foi um dos maiores pontos de discórdia nas relações entre Moscou e Washington nos últimos anos. A Rússia crê que os planos americanos significam um risco para a segurança nacional e exigem dos EUA garantias de que o escudo antimísseis não apontará para seu território.

Em 2014, os EUA e, depois, a OTAN suspenderam o diálogo sobre o escudo antimísseis com Moscou alegando uma suposta participação russa na crise ucraniana.

No dia em que Teerã e o grupo P5+1 chegaram a um acordo sobre o programa nuclear iraniano, o chanceler russo, Sergei Lavrov, disse esperar que os EUA abandonassem a ideia do escudo antimísseis na Europa, como prometido em 2009.

"Em um discurso em Praga, em abril de 2009, o presidente Barack Obama disse que se conseguisse uma solução para o programa nuclear iraniano, o objetivo de criar o escudo antimísseis deixaria de existir", lembrou Lavrov.

Washington, por sua vez, defende o escudo argumentando que hoje a ameaça são os mísseis balísticos de Teerã.


Postar um comentário