Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Por que negociações entre Washington e Pyongyang estão condenadas ao fracasso?

Em vez de proferir mais ameaças, a administração Trump deve mostrar que é um parceiro de negociação confiável, escreve o The National Interest, acrescentando que é importante enviar sinais claros agora.
Sputnik

O presidente norte-americano Donald Trump continua tratando a sua administração como uma brigada de salvamento para a diplomacia internacional, mas os norte-coreanos não são estúpidos e não confiam em promessas, afirma o autor do The National Interest Doug Bandow no seu recente artigo.


"O desmantelamento nuclear da Líbia, em muito forçado pelos EUA no passado, se revelou um modo de agressão por meio da qual os norte-americanos convenceram os líbios com tais palavras doces como 'garantia de segurança' e 'melhoramento das relações' para desarmar o país e depois destruí-lo pela força", conforme notou o Ministério das Relações Exteriores da Coreia do Norte, acrescentando que os norte-coreanos percebem as intenções dos EUA.

O autor, lembrando o caso da Líbia, …

Navios antimísseis dos EUA terão resposta russa

A Rússia saberá responder à modernização dos navios de guerra que utilizarão o sistema de defesa antimísseis (DAM) dos Estados Unidos, afirmou nesta terça-feira Oleg Pishni, chefe de departamento do 4º Instituto de Investigações Científicas do Ministério da Defesa russo.


Sputnik

"Certamente, este feito ameaça o componente naval das forças estratégicas russas (…) mas a Rússia saberá responder a essa ameaça", disse Pishni em entrevista coletiva.




Os EUA vão modernizar cerca de 50 navios de sua Marinha para futuramente integrá-los a seu escudo antimísseis para a Europa.

"Segundo os planos anunciados pelos americanos, seriam modernizados 48 ou 49 navios até o ano 2020", afirmou o militar.

Pishni completou: assim, o número de antimísseis modernos passará de 200 unidades.

"Diante dessa situação, a Rússia adotará medidas de caráter técnico adequadas", ressaltou o representante do Ministério da Defesa.

EUA poderiam posicionar novos mísseis na Europa em 2018

"Acompanhamos de perto a criação do escudo antimísseis dos Estados Unidos. Acreditamos que com o tempo aparecerão mísseis da série SM-3 que serão uma ameaça para nosso país. Este ano, realizaram exercícios com o míssil SM-3 bloco 2A, o que já gera preocupação", ressaltou Pishni.

O Ministério da Defesa russo acredita que os Estados Unidos poderiam posicionar esses mísseis na Polônia e na Romênia em 2018.

A questão do escudo antimísseis foi um dos maiores pontos de discórdia nas relações entre Moscou e Washington nos últimos anos. A Rússia crê que os planos americanos significam um risco para a segurança nacional e exigem dos EUA garantias de que o escudo antimísseis não apontará para seu território.

Em 2014, os EUA e, depois, a OTAN suspenderam o diálogo sobre o escudo antimísseis com Moscou alegando uma suposta participação russa na crise ucraniana.

No dia em que Teerã e o grupo P5+1 chegaram a um acordo sobre o programa nuclear iraniano, o chanceler russo, Sergei Lavrov, disse esperar que os EUA abandonassem a ideia do escudo antimísseis na Europa, como prometido em 2009.

"Em um discurso em Praga, em abril de 2009, o presidente Barack Obama disse que se conseguisse uma solução para o programa nuclear iraniano, o objetivo de criar o escudo antimísseis deixaria de existir", lembrou Lavrov.

Washington, por sua vez, defende o escudo argumentando que hoje a ameaça são os mísseis balísticos de Teerã.


Postar um comentário