Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Ministro israelense ameaça devolver Líbano à 'Idade da Pedra'

Em entrevista ao portal saudita Elaph, o ministro da Inteligência de Israel, Yisrael Katz, avisou que seu país não hesitará em atacar o Líbano para deter a atividade do grupo xiita libanês Hezbollah, e ameaçou devolver o Líbano à "Idade da Pedra", informou o jornal israelense Haaretz.
Sputnik

Além disso, Katz anunciou que Israel atacará instalações militares do Irã no Líbano: "Temos informações de que o Irã está construindo fábricas de mísseis avançados no Líbano e quero enfatizar que traçamos uma linha vermelha e que não deixaremos que o faça custe o que custar", acrescentou.


Lembrando-se da Segunda Guerra do Líbano em 2006, onde Israel lutou contra o Hezbollah, Katz destacou que os eventos de 11 anos atrás serão um "piquenique" em comparação com o que Israel pode fazer agora.

"Lembro-me de como um ministro saudita disse que devolveria o Hezbollah às suas cavernas no sul do Líbano. Devolveremos o Líbano à Idade da Pedra", declarou o ministro israel…

Número de mortos em desabamento de quartel sobe para 23

Centro de instruções na cidade de Omsk tinha 337 recrutas quando caiu na noite de domingo (12). Todos os 42 recrutas restantes entre os escombros foram retirados até a manhã desta segunda-feira.


Anastassia Muzika e Marina Darmaros | Gazeta Russa

Nesta segunda-feira (13) subiu para 23 o número de mortos devido ao desabamento de um quartel no povoado de Svétli, nos arredores de Omsk (2.700 km a leste de Moscou), de acordo com o Ministério da Defesa.


Número de mortos em desabamento de quartel sobe para 23
Desde 1995 foram registrados pelo menos sete casos de desabamento com mais de 10 vítimas fatais no país. Foto: AP

A assessoria da pasta divulgou ainda que até a manhã desta segunda foram encontrados todos os 42 recrutas restantes sob os escombros do prédio de quatro andares, que servia de centro de instruções.

Segundo o ministério, 19 recrutas estão hospitalizados e três se encontram na enfermaria do quartel com ferimentos leves.

"O primeiro helicóptero com dez recrutas feridos já partiu para Moscou", anunciou o porta-voz do ministério, major-general Ígor Konashenkov.

No momento do desabamento, 337 recrutas descansavam no edifício, que passava por reformas.

"Há uma comissão especial do Ministério da Defesa e representantes dos órgãos de segurança trabalhando no local para estabelecer o motivo do ocorrido", disse Konachenkov, acrescentando que não é possível, no momento, dizer se o acidente poderia ter sido ocasionado pela reforma.

Outros acidentes

Só neste ano, já foram registrados diversos casos de desabamentos ou evacuações por risco de desabamento pelo país. Entre esses, no sábado passado (11), a fachada de um prédio residencial desmoronou em Perm, na Rússia central, ocasionando duas mortes.

Em março, outro prédio residencial, em Tiumen, na Sibéria, desabou. Ele já havia sido tema de reportagens após reclamações dos moradores, que ficaram meses sem água, calefação e pintura.

A falta de organização para financiar e efetuar os reparos estruturais e estéticos necessários está entre os motivos para acidentes desse tipo, que não são raros no país.

Segundo o artigo 158 do Código de Habitação da Federação da Rússia, os proprietários dos apartamentos são responsáveis pelo pagamento da manutenção dos prédios.

No que se refere aos quartéis militares, o governo é responsável por sua manutenção.

Nos últimos 20 anos, pelo menos sete casos de desabamentos de prédios com 10 ou mais vítimas fatais foram registrados na Rússia, de acordo com a agência Tass.

Tijolo x painel de concreto

O desabamento do quartel em Omsk reacende a discussão acerca da segurança das construções feitas com paineis de concreto.

"Os estragos na placa - a corrosão da armação -, podem oferecer um risco extremo ", disse a chefe do departamento de perícia da companhia Miel-Novostroika, Anna Sokolova, ao portal Urbanus.Ru.

"Uma deterioração mais séria de determinados elementos pode levar a desabamentos. É o caso da corrosão de armações e do assentamento irregular do solo onde é edificada a construção, que podem levar a problemas com as vias de abastecimento [de água, luz, gás] antigas", completa.

O diretor do departamento de vendas da imobiliária de luxo Penny Lane Realty, Aleksandr Zimínski, se mostra pessimista quanto a reforma de tais edifícios.

"Nem o saneamento, a instalação de elevadores, a substituição das vias de abastecimento, a meu ver, podem aumentar a procura por tais construções. Após a reforma, não muda basicamente nada", diz.



Postar um comentário