Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Turquia não considera Patriot como alternativa ao S-400, diz parlamentar turco

Washington está negociando com Ancara quanto à possibilidade de fornecimento dos sistemas de defesa antiaérea norte-americanos Patriot no lugar dos S-400 russos, escreveu a revista turca Sabah, citando a assessora do Secretário de Estado dos EUA em questões políticas, Tina Kaidanow.
Sputnik

Kaidanow relevou que o Departamento do Estado está negociando com a Turquia para "tentar dar a entender aos turcos o que se pode fazer em relação aos Patriot".

"Estamos preocupados que a compra dos sistemas russos de defesa antiaérea seja uma espécie de apoio para a Rússia que, pelo que vimos, não se comporta bem em várias partes do mundo, inclusive na Europa", afirmou a assessora, citada pela edição turca.

Um representante do Ministério das Relações Exteriores turco, que pediu anonimato, comentou à Sputnik Turquia sobre a situação quanto às compras dos S-400 por Ancara, bem como quanto ao diálogo com os EUA.
"A nossa postura em relação aos S-400 foi reiterada por diversas vezes…

OTAN usa crise ucraniana para reforçar sua relevância, diz embaixador

A OTAN instrumentalizou a crise ucraniana para demonstrar a seus integrantes que a Aliança ainda segue sendo relevante, declarou nesta terça-feira o representante russo permanente para a OTAN, Alexander Grushko.


Sputnik

"A crise ucraniana foi utilizada para que a OTAN voltasse a seu objetivo original e para mostrar aos países da Europa Ocidental que a Aliança continua sendo necessária e útil na questão da segurança", disse o diplomata russo em entrevista ao canal Lifenews.


Militares de la OTAN en Ucrania
© AFP 2015/ Yuriy Dyachyshyn

Grushko afirmou que a organização foi criada no contexto da Guerra Fria como oposição à União Soviética "e se sente incomodada sem um adversário."

O diplomata acredita que a atividade militar da OTAN procura confrontos inclusive em regiões tranquilas da Europa, como o Báltico.

"Temos como exemplo o que aconteceu na Europa Central e no Báltico. A OTAN não é capaz de dar segurança a esses países membros. Um exemplo evidente é a região do Báltico, que nunca foi alvo de ameaças militares clássicas", ressaltou Grushko.

Os jogos políticos que têm como objetivo a expansão da OTAN rumo à Geórgia e à Ucrânia, alertou o diplomata, poderiam ter consequências catastróficas para toda Europa.

"Qualquer jogo político em torno da expansão da OTAN na direção de Geórgia e Ucrânia levaria profundas e graves consequências geopolíticas para toda Europa. (…) Em Bruxelas e outras capitais entendem que é um jogo perigoso", disse.

Grushko questionou ainda o benefício que esses novos esforços podem trazer aos países membros. Para o diplomata, só agora o Ocidente vem percebendo que os planos para formar um acordo se segurança que exclua ou se oponha à Rússia são impraticáveis.

"Os países da Europa devem entender que esta tendência não responde a seus interesses nem fomenta relações saudáveis e pragmáticas com a Rússia", afirmou Grushko.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas