Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Ministro israelense ameaça devolver Líbano à 'Idade da Pedra'

Em entrevista ao portal saudita Elaph, o ministro da Inteligência de Israel, Yisrael Katz, avisou que seu país não hesitará em atacar o Líbano para deter a atividade do grupo xiita libanês Hezbollah, e ameaçou devolver o Líbano à "Idade da Pedra", informou o jornal israelense Haaretz.
Sputnik

Além disso, Katz anunciou que Israel atacará instalações militares do Irã no Líbano: "Temos informações de que o Irã está construindo fábricas de mísseis avançados no Líbano e quero enfatizar que traçamos uma linha vermelha e que não deixaremos que o faça custe o que custar", acrescentou.


Lembrando-se da Segunda Guerra do Líbano em 2006, onde Israel lutou contra o Hezbollah, Katz destacou que os eventos de 11 anos atrás serão um "piquenique" em comparação com o que Israel pode fazer agora.

"Lembro-me de como um ministro saudita disse que devolveria o Hezbollah às suas cavernas no sul do Líbano. Devolveremos o Líbano à Idade da Pedra", declarou o ministro israel…

OTAN usa crise ucraniana para reforçar sua relevância, diz embaixador

A OTAN instrumentalizou a crise ucraniana para demonstrar a seus integrantes que a Aliança ainda segue sendo relevante, declarou nesta terça-feira o representante russo permanente para a OTAN, Alexander Grushko.


Sputnik

"A crise ucraniana foi utilizada para que a OTAN voltasse a seu objetivo original e para mostrar aos países da Europa Ocidental que a Aliança continua sendo necessária e útil na questão da segurança", disse o diplomata russo em entrevista ao canal Lifenews.


Militares de la OTAN en Ucrania
© AFP 2015/ Yuriy Dyachyshyn

Grushko afirmou que a organização foi criada no contexto da Guerra Fria como oposição à União Soviética "e se sente incomodada sem um adversário."

O diplomata acredita que a atividade militar da OTAN procura confrontos inclusive em regiões tranquilas da Europa, como o Báltico.

"Temos como exemplo o que aconteceu na Europa Central e no Báltico. A OTAN não é capaz de dar segurança a esses países membros. Um exemplo evidente é a região do Báltico, que nunca foi alvo de ameaças militares clássicas", ressaltou Grushko.

Os jogos políticos que têm como objetivo a expansão da OTAN rumo à Geórgia e à Ucrânia, alertou o diplomata, poderiam ter consequências catastróficas para toda Europa.

"Qualquer jogo político em torno da expansão da OTAN na direção de Geórgia e Ucrânia levaria profundas e graves consequências geopolíticas para toda Europa. (…) Em Bruxelas e outras capitais entendem que é um jogo perigoso", disse.

Grushko questionou ainda o benefício que esses novos esforços podem trazer aos países membros. Para o diplomata, só agora o Ocidente vem percebendo que os planos para formar um acordo se segurança que exclua ou se oponha à Rússia são impraticáveis.

"Os países da Europa devem entender que esta tendência não responde a seus interesses nem fomenta relações saudáveis e pragmáticas com a Rússia", afirmou Grushko.


Postar um comentário