Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

'Sangue e caos': príncipe saudita chama Trump de 'oportunista' por decisão sobre Jerusalém

O ex-chefe da inteligência saudita, o Príncipe Turki al-Faisal, criticou o reconhecimento do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de Jerusalém como a capital de Israel, em uma das mais acentuadas reações do reino aliado de Washington no Oriente Médio.
Sputnik

Em uma carta a Trump publicada em um jornal saudita nesta segunda-feira, o príncipe Turki, um ex-embaixador em Washington que agora não ocupa nenhum cargo do governo, mas continua influente, chamou a decisão de uma estratagema política doméstica que provocaria violência.


"O derramamento de sangue e o caos definitivamente seguirão sua tentativa oportunista de ganhar eleitoralmente", escreveu o príncipe Turki em uma carta publicada no jornal saudita al-Jazeera.

Trump inverteu décadas de política dos EUA e virou do consenso da crítica internacional na semana passada, reconhecendo Jerusalém como a capital de Israel. A maioria dos países diz que o status da cidade deve ser deixado para negociações entre Israel e os pales…

Raytheon já faz 80% dos componentes de míssil com impressora 3D

Objetivo é soldados fabricarem, no futuro, armamento no campo de batalha.
Desafio, por hora, é integrar os componentes impressos em 3D.


G1 | Forças Terrestres

A quase centenária fabricante de mísseis norte-americana Raytheon embarca na onda da impressão 3D. A empresa criou um sistema capaz de imprimir com essas máquinas 80% dos componentes de um míssil. A ideia é que o armamento possa ser feito no campo de batalha conforme a necessidade. 


Raytheon missile built with 3D printer parts

“Nós estamos imprimindo demos de muitos dos componentes perseguidos. E nós demonstramos um motor de foguete impresso. Nós já imprimimos 80% do que vai dentro de um míssil”, afirma Chris McCarroll, diretor do Instituto de Pesquisa Lowell da Universidade Raytheon de Massachusetts.

A empresa trabalha agora para imprimir em 3D os circuitos integrados embarcados nos foguetes. “Seu ciclo de desenvolvimento é mais curto; você consegue partes muito mais rápido. Você pode obter mais complexidade com seu design por causa dos ângulos que você não consegue talhar no metal”, afirma Leah Hull, diretora da Raytheon.

Esse passo é crucial, apontam executivos da empresa, para que esse tipo de armamento possa ser fabricado no meio da zona de combate.

“Antes de um soldado poder imprimir um míssil no campo, você vai precisar de qualidade, processos controlados para fabricar todos os componentes de materiais: os reforços metálicos, os conectores de plástico, os semicondutores para os processadores e os energéticos para os sistemas de propulsão”, comenta McCarroll.

“A parte mais difícil é a confecção da conexões entre essas partes, como por exemplo, o controle do circuito integrado que recebe o comando para acender os fusíveis”, diz. “Em algum momento a médio prazo você poderá ligar chips a impressões interconectadas. Ou, no futuro, talvez você apenas irá imprimi-los.”



Postar um comentário