Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Primeiro voo do Aero L-159T2

A Aero Vodochody realizou o primeiro voo do treinador a jato L-159T2 de dois lugares em 1º de agosto. O voo de 30 minutos foi conduzido pelos pilotos de testes da empresa Vladimír Kvarda e David Jahoda.
Poder Aéreo

A Força Aérea Tcheca encomendou três exemplares em 2016, que devem ser entregues até o final deste ano. As aeronaves L-159 são operadas pelas forças aéreas tcheca e iraquiana, pela empresa americana Draken International e, no passado, foram alugadas pela Força Aérea Húngara para treinamento de pilotos.

Estas novas aeronaves de assento duplo T2 têm uma fuselagem central e dianteira recém-construída e apresentam várias melhorias significativas, principalmente em equipamentos de cockpit e sistema de combustível, e são totalmente compatíveis com o NVG. Cada cockpit é equipado com duas telas multifuncionais e um assento de ejeção VS-20 atualizado. A aeronave também pode oferecer uma capacidade de reabastecimento sob pressão. O radar GRIFO, já em uso na versão de um único assento, a…

República Popular de Donetsk conclui retirada de armamentos

Nesta quarta-feira (22), as milícias da autoproclamada República Popular de Donetsk (RPD) terminaram o processo de retirada de armamentos da linha de separação de forças em Donbass, no Leste da Ucrânia.


Sputnik

Trata-se de armamentos do calibre menor de 100 mm. Mais cedo, armamentos de maiores calibres já tinham sido retirados.

“A retirada unilateral de blindados a 3 km da linha da frente ‘em zonas tranquilas’ foi concluída”, disse o Ministério da Defesa da RPD em um comunicado.


Retirada do material bélico pesado de Donetsk
© Sputnik/ Mikhail Voskresensky

A retirada acontece depois da resolução, adotada ontem, do Grupo de Contato Trilateral, composto pela Rússia, Ucrânia e a Organização de Segurança e Cooperação na Europa (OSCE).

No entanto, as armas do tipo mencionado ainda permanecerão nos “pontos quentes”, onde resta a possibilidade de ataque por parte das forças de Kiev.

Tal já aconteceu perto de Donetsk em 6 de junho, quando o povoado de Marinka foi atacado pelo exército ucraniano, cujo comando alegava provocação por parte das milícias.

Kiev

A parte ucraniana também insiste que pretende cumprir os Acordos de Minsk. O presidente da Ucrânia, Pyotr Poroshenko, declarou nesta quarta-feira que tinha encarregado os seus representantes no grupo de contato a assinarem o acordo da criação de uma zona tampão de 30 km ao longo da linha de demarcação e retirar tanques e morteiros.

Contudo, logo depois frisou que considera nula a opção de a causa das milícias de Donbass vencerem. "Donbass é e será uma região ucraniana, falará russo e ucraniano", disse.

Conflito

Desde meados de abril de 2014, Kiev está realizando uma operação militar com a finalidade de esmagar os independentistas no Leste da Ucrânia. O motivo é o não reconhecimento, pelos independentistas, das novas autoridades ucranianas, que tinham chegado ao poder graças ao golpe de Estado, que teve lugar em 22 de fevereiro de 2014.

Um pouco menos de um ano depois, em 12 de fevereiro de 2015, os presidentes da Rússia, Ucrânia, França e Alemanha assinaram em Minsk um acordo de paz que até agora é considerado o principal documento que contém a descrição da saída pacífica da situação.

As exigências presentes no documento incluem reforma política com a entrada em vigor de nova Constituição até finais de 2015, que tenha descentralização como elemento-chave.

Apesar do acordo, confrontos locais continuam e armamentos proibidos continuam sendo usados.



Postar um comentário

Postagens mais visitadas