Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Força Aérea israelense anuncia estreia global do caça F-35 em combate

Israel foi o primeiro país ao qual os Estados Unidos autorizaram a venda do caça invisível
Juan Carlos Sanz | El País
Jerusalém - A Força Aérea de Israel revelou nesta terça-feira que foi a primeira a utilizar em combate o F-35, o ultramoderno caça furtivo indetectável para os radares inimigos. O chefe da aeronáutica israelense, general Amikam Nirkin, fez o comunicado aos comandantes das forças aéreas de vários países reunidos ao norte de Tel Aviv.

O general Nirkin mostrou a seus colegas – procedentes dos EUA, Itália, França, Índia e Brasil, entre outros países – a imagem de vários F-35 sobre Beirute, enquanto confirmava que esses aviões tinham participado de ataques em duas frentes.

“O esquadrão do F-35 está em operação e já sobrevoa todo o Oriente Médio”, afirmou o chefe da força aérea.

Nirkin reiterou que, há duas semanas, a Guarda Revolucionária iraniana disparou 32 foguetes contra as Colinas de Golã, planalto sírio ocupado por Israel desde 1967 e que, em resposta à agressão, a aviação…

Antigos caças soviéticos são melhores do que o novo F-35 norte-americano

Os caças norte-americanos F-35 são tão maus que, no combate aéreo, mesmo os “antigos” caças soviéticos MiG-21 conseguem batê-los, considera especialista militar norte-americano.


Sputnik

Segundo Pierre Sprey, famoso analista norte-americano, os caças da quinta geração Lockheed Martin F-35 Lightning II, que a mídia chama de “feira de ouro” devido a seu preço altíssimo, podem ser batidos pelos caças soviéticos de quarta geração Sukhoi Su-27 e MiG-29. Além disso, mesmo o “antigo” MiG-21 pode superá-lo. 


Lockheed Martin F-35 Lightning II
F-35 Lightning II © AP Photo/ Ross D. Franklin

Em entrevista dada a um canal de televisão russo, o especialista expressou o seu ceticismo quanto ao novo caça norte-americano:

“Embora os Su-27 e MiG-29 não sejam ideais, eles têm a maior amplitude de asas em relação à respetiva massa, os motores são mais fortes, podem carregar mais mísseis “ar-ar” e “ar-terra”. Por isso, se o F-35 se encontrar com estes aviões, ele ficará desamparado.”

Alguns dias atrás, Bill French, outro especialista que trabalha na organização National Security Network publicou um relatório em que também criticou os F-35 de forma ainda mais severa:

“Se bem que os F-35 tenham tecnologias furtivas e eletrônica de bordo superiores, em comparação com os Su-27 e MiG-29, podemos esperar derrotas 3:1, isto é, por cada Su-27 e MiG-29 eliminado, três F-35 poderão ser destruídos”.

Entretanto, é evidente que, nesta situação, o avião de combate norte-americano não poderá concorrer com o caça russo de quinta geração Sukhoi PAK FA. Também conhecido como T50, o caça deverá ser fabricado a partir de 2016. O avião possui tecnologias inovadoras, como, por exemplo, um sistema exclusivo de radares ativos e passivos.


Postar um comentário