Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha do Brasil simula resgate de civis em área de conflito ou desastre natural (VÍDEO)

A Marinha do Brasil realizou entre os dias 6 e 14 de novembro a Operação Atlântico, na praia de Itaoca, no Espírito Santo. A simulação deste ano treinou os oficiais para casos em que houvesse resgate de civis em uma área de conflito armado ou que foram alvos de desastres naturais.
Sputnik

Era por volta de 5h40 do dia 10 de novembro, um sábado, ainda estava amanhecendo, quando o Almirante Paulo Martinho Zucaro, Comandante da Força de Fuzileiros da Esquadra, olhou e disse para a reportagem da Sputnik Brasil: "É guerra".


A declaração foi dada para explicar os motivos de se realizar um treinamento deste porte mesmo em condições extremamente desfavoráveis. A chuva era forte, as ondas na beira da praia atingiam 1,5 metros e os ventos chegaram a 20 km/h. O nível de dificuldade preocupava o alto comando, mas não foi um problema para os fuzileiros e marinheiros.

Antes do amanhecer, sete Carros Lagarta Anfíbios (CLAnf) chegaram à praia e deram início ao desembarque. Após eles chegarem foi…

Antigos caças soviéticos são melhores do que o novo F-35 norte-americano

Os caças norte-americanos F-35 são tão maus que, no combate aéreo, mesmo os “antigos” caças soviéticos MiG-21 conseguem batê-los, considera especialista militar norte-americano.


Sputnik

Segundo Pierre Sprey, famoso analista norte-americano, os caças da quinta geração Lockheed Martin F-35 Lightning II, que a mídia chama de “feira de ouro” devido a seu preço altíssimo, podem ser batidos pelos caças soviéticos de quarta geração Sukhoi Su-27 e MiG-29. Além disso, mesmo o “antigo” MiG-21 pode superá-lo.

Lockheed Martin F-35 Lightning II
F-35 Lightning II © AP Photo/ Ross D. Franklin

Em entrevista dada a um canal de televisão russo, o especialista expressou o seu ceticismo quanto ao novo caça norte-americano:

“Embora os Su-27 e MiG-29 não sejam ideais, eles têm a maior amplitude de asas em relação à respetiva massa, os motores são mais fortes, podem carregar mais mísseis “ar-ar” e “ar-terra”. Por isso, se o F-35 se encontrar com estes aviões, ele ficará desamparado.”

Alguns dias atrás, Bill French, outro especialista que trabalha na organização National Security Network publicou um relatório em que também criticou os F-35 de forma ainda mais severa:

“Se bem que os F-35 tenham tecnologias furtivas e eletrônica de bordo superiores, em comparação com os Su-27 e MiG-29, podemos esperar derrotas 3:1, isto é, por cada Su-27 e MiG-29 eliminado, três F-35 poderão ser destruídos”.

Entretanto, é evidente que, nesta situação, o avião de combate norte-americano não poderá concorrer com o caça russo de quinta geração Sukhoi PAK FA. Também conhecido como T50, o caça deverá ser fabricado a partir de 2016. O avião possui tecnologias inovadoras, como, por exemplo, um sistema exclusivo de radares ativos e passivos.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas