Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

As sete armas potencialmente mais perigosas da Rússia

O site norte-americano We Are The Mighty, especializado em assuntos militares, publicou a lista das novas armas russas que estão sendo desenvolvidas.


Sputnik

O autor do artigo David Nye escreve que a Rússia está modernizando o seu armamento de forma muito rápida:

“Enquanto o exército russo está lutando contra muitas dificuldades, o Kremlin está trabalhando duro para o fortalecer”.

Agora a Rússia produz submarinos nucleares de quarta geração mas já tem projetos de quinta geração, a ser equipados com novos reatores nucleares.

Quanto ao programa de mísseis hipersônicos da Rússia, o autor diz que ele “tem potencial”:

“O Yu-71 será capaz de atingir alvos em velocidades de 7.000 milhas por hora e destruir defesas aéreas. Embora os EUA também tenham um programa hipersônico, os mísseis americanos são projetados para ogivas convencionais, enquanto as da Rússia são nucleares.”


Míssil hipersônico Yu-71

A Rússia também está construindo um novo bombardeiro estratégico com grande capacidade de carga, o Sukhoi PAK DA, dotado de eficazes tecnologias furtivas e que poderá usar mísseis de cruzeiro de longa distância contra porta-aviões e outros alvos.

“Enquanto os mísseis da defesa aérea S-300 estão sendo discutidos nas notícias agora (parece que o autor tem em vista o acordo com o Irã), o S-500 está duas gerações à frente. Se espera que os novos mísseis de defesa aérea S-500 serão capazes de carregar cinco-dez mísseis balísticos de uma só vez e até de abater satélites de baixa órbita,” escreve David Nye.

Entre outras armas “mais perigosas” da Rússia, o autor destaca o sistema de combate eletrônico, que é capaz de neutralizar os sistemas da defesa dos inimigos, e o programa de lasers, que é confidencial.

O especialista duvida que os porta-aviões russos tenham boas perspectivas mas nota que se eles forem lançados, serão muito melhores do que o porta-aviões Almirante Kuznetsov.



Postar um comentário