Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Israel prende o governador palestino de Jerusalém

Motivo da detenção foram crimes cometidos na Cisjordânia ocupada, segundo a Organização para a Libertação da Palestina.
France Presse

Israel prendeu o governador palestino de Jerusalém por crimes que teria cometido na Cisjordânia ocupada, que não foram especificados, informou a Organização para a Libertação da Palestina (OLP).

O governador Adnan Gheith foi detido no sábado (20) à noite no bairro palestino de Beit Hanina, em Jerusalém Oriental, ocupada e anexada por Israel. Será apresentado a um tribunal dentro de quatro dias, afirma a OLP em um comunicado.

Para o dirigente da OLP Saeb Erakat, a detenção é "um novo passo contra a presença palestina em Jerusalém" e constitui uma violação da legislação israelense a respeito das instituições palestinas da cidade.

"As ameaças contra dirigentes palestinos, sua detenção, inclusive o 'sequestro' do governador Gheith, são parte de um plano que pretende sufocar todas as bases de uma solução política com dois Estados e com as f…

'Comandos do Islã' não têm nenhuma chance contra polícia e exército do Afeganistão

O Afeganistão, pátria do movimento extremista islâmico Taliban, sofre com instabilidade após uma guerra civil prolongada, agravada pela presença militar dos EUA. Em julho, já surgiu o movimento Khorasan. Mas agora, a Internet local fala de um grupo autodenominado “comandos do Islã”.


Sputnik

No que toca ao movimento Horasan, o presidente afegão Ashraf Ghani já se exprimiu sobre o assunto em julho. Em uma entrevista à Sputnik, ele contou de um grupo separado de militantes do Estado Islâmico (organização terrorista ativa na Síria e no Iraque, proibida na Rússia e em outros vários países) que se chamava de “khorasanitas”. O termo é uma referência a um grupo armado que no século VIII derrubou vários califados situados no território atualmente ocupado pelo Afeganistão.


Forças de segurança afegãs patrulham território após explosão ao lado do parlamento em Cabul
Força de segurança afegã © AP Photo/ Rahmat Gul

Um hadith reza: “Quando virdes estandartes pretos vindo do lado do Khorasan, ide a eles, mesmo se tiverdes que rastejar pelo chão, porque estará entre eles o Imame Mahdi [o Messias]”. O fato de o hadith citar “estandartes pretos” é relevante, considerando que a bandeira do Estado Islâmico é preta também.

Para vários analistas, o movimento Khorasan é ainda mais perigoso para os EUA e a Europa porque planeja atentados naqueles territórios.

No entanto, pouco se sabe dos “comandos do Islã”. Segundo o alto conselheiro do Ministério do Interior do Afeganistão, coronel-general Abdoul Hadi Khalid, este nome é irônico, já que “eles não têm nenhuma chance de se contrapor nem ao exército, nem à polícia em um combate mais ou menos prolongado”.

“O nosso exército e a nossa polícia são muito mais fortes do que eles. Eles chegam de diversos lugares, “voam” cá em motos e atacam um poste”, comenta o militar, frisando que os ataques não são muito perigosos.

O coronel-general Khalid destacou que o governo afegão está preparando programas regionais para fortalecer o combate ao terrorismo em várias províncias do país – “especialmente nas províncias do Norte e Nordeste, e também no Sul e Sudoeste do país, isto é, todos os países que têm sofrido com ataques dos militantes. O governo pretende usar os programas elaborados para reforçar lá a segurança, normalizar a vida e obter de novo a confiança do povo”.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas