Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Pyongyang: 3 porta-aviões perto da Coreia do Norte são uma ameaça de guerra nuclear

A ONU "fecha os olhos aos exercícios de guerra nuclear dos EUA, que estão empenhados em causar um desastre catastrófico para a humanidade", declarou o embaixador norte-coreano na ONU, Ja Song-nam.
Sputnik

As autoridades norte-coreanas classificaram na segunda (13) o deslocamento sem precedentes de 3 grupos de porta-aviões dos EUA para a zona da península da Coreia como uma "postura de ataque".


O representante norte-coreano permanente na ONU, Ja Song-nam, expressou em uma carta enviada ao secretário-geral da ONU o descontentamento do seu governo com os exercícios militares de Seul, Tóquio e Washington. Estes, segundo o diplomata, estão criando "a pior situação para a península da Coreia e seus arredores".

"Os EUA são os principais responsáveis por escalar as tensões e comprometer a paz", declarou Ja Song-nam.

Além da presença de 3 porta-aviões estadunidenses (Nimitz, Ronald Reagan e Theodore Roosevelt), Washington continua realizando voos de bombarde…

EUA pretendem expandir drasticamente seu programa de drones

Nos próximos quatro anos o Pentágono planeja aumentar drasticamente a quantidade de voos de drones dos EUA, conferindo aos comandantes militares maior acesso à inteligência e mais poder de fogo para dar conta do crescente número de conflitos globais, revelou um alto oficial de defesa do país ao jornal norte-americano The Wall Street Journal.


Sputnik

O plano de aumentar em 50% o número diário de voos de drones expandiria a vigilância e a coleta de informações em locais como Ucrânia, Iraque, Síria, Mar do Sul da China e Norte da África, disse o porta-voz. Se hoje os EUA realizam 60 lançamentos de aviões não tripulados por dia, até 2019 este número poderá ultrapassar 90 voos diários.


Predator, veículo aéreo não tripulado utilizado pelas Forças Armadas dos Estados Unidos
Predator © AFP 2015/ MASSOUD HOSSAINI

Nas suas palavras, esta seria a primeira expansão significativa do programa de drones dos EUA desde 2011, refletindo os esforços militares em abarcar um número cada vez maior de crises globais.

Em paralelo ao aumento de vigilância, o Pentágono também planeja elevar a sua capacidade de promover ataques aéreos não tripulados, este sendo o componente mais controverso do programa de drones dos EUA e que viveu uma rápida expansão no governo do Presidente Barack Obama.

Segundo estimativas de grupos independentes, ataques realizados por aeronaves norte-americanas não tripuladas já mataram mais de 3 mil pessoas no mundo. No entanto, o programa de aviões não tripulados vive um boom nos EUA. Assim, no orçamento do Pentágono para 2016 foram alocados 2,9 bilhões de dólares para o futuro desenvolvimento de aparelhos não tripulados.

Atualmente, a maior parte dos voos com drones dos EUA é realizada pela Força Aérea, incluindo missões secretas da Agência Central de Inteligência (CIA) no Paquistão e no Iêmen. O novo plano, no entanto, também colocaria à disposição do programa o Exército do país, bem como o Comando de Operações Especiais e empresas contratadas do governo.

O uso de aeronaves não tripuladas pelos EUA para combater o terrorismo em países do Oriente Médio é bastante criticado tanto pelos próprios cidadãos norte-americanos e pela comunidade mundial. Vários observadores, inclusive os norte-americanos, insistem que essas operações militares representam uma prática inumana. Voltadas contra quaisquer agrupamentos de pessoas que possam parecer suspeitas, esses ataques têm provocado muitas vítimas inocentes entre as populações civis de países como o Paquistão.


Postar um comentário