Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Erdogan diz que Turquia continuará operação na Síria, pactuada com Moscou

O presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, afirmou nesta segunda-feira que seu país não interromperá sua operação militar lançada no sábado contra as milícias curdas aliadas dos Estados Unidos no norte da Síria e insistiu que esta operação está pactuada com a Rússia.
EFE

"Não vamos retroceder em Afrin. Falamos com os russos e há consenso", disse o político islamita em relação à região do norte da Síria nas mãos das milícias curdas Unidades de Proteção do Povo (YPG), que Ancara considera terroristas e aliadas da guerrilha curda da Turquia, o PKK.


Erdogan voltou a acusar os EUA de armar e apoiar as YPG, aliadas de Washington contra o grupo jihadista Estado Islâmico.

"Não são honestos conosco. Continuaremos o nosso caminho no marco das conversações que mantemos com a Rússia", apontou.

"Queríamos comprar armas (com os EUA). Não nos deram e entregaram as mesmas armas a organizações terroristas. Que tipo de aliança estratégica é essa?", afirmou o presidente da T…

EUA pretendem expandir drasticamente seu programa de drones

Nos próximos quatro anos o Pentágono planeja aumentar drasticamente a quantidade de voos de drones dos EUA, conferindo aos comandantes militares maior acesso à inteligência e mais poder de fogo para dar conta do crescente número de conflitos globais, revelou um alto oficial de defesa do país ao jornal norte-americano The Wall Street Journal.


Sputnik

O plano de aumentar em 50% o número diário de voos de drones expandiria a vigilância e a coleta de informações em locais como Ucrânia, Iraque, Síria, Mar do Sul da China e Norte da África, disse o porta-voz. Se hoje os EUA realizam 60 lançamentos de aviões não tripulados por dia, até 2019 este número poderá ultrapassar 90 voos diários.


Predator, veículo aéreo não tripulado utilizado pelas Forças Armadas dos Estados Unidos
Predator © AFP 2015/ MASSOUD HOSSAINI

Nas suas palavras, esta seria a primeira expansão significativa do programa de drones dos EUA desde 2011, refletindo os esforços militares em abarcar um número cada vez maior de crises globais.

Em paralelo ao aumento de vigilância, o Pentágono também planeja elevar a sua capacidade de promover ataques aéreos não tripulados, este sendo o componente mais controverso do programa de drones dos EUA e que viveu uma rápida expansão no governo do Presidente Barack Obama.

Segundo estimativas de grupos independentes, ataques realizados por aeronaves norte-americanas não tripuladas já mataram mais de 3 mil pessoas no mundo. No entanto, o programa de aviões não tripulados vive um boom nos EUA. Assim, no orçamento do Pentágono para 2016 foram alocados 2,9 bilhões de dólares para o futuro desenvolvimento de aparelhos não tripulados.

Atualmente, a maior parte dos voos com drones dos EUA é realizada pela Força Aérea, incluindo missões secretas da Agência Central de Inteligência (CIA) no Paquistão e no Iêmen. O novo plano, no entanto, também colocaria à disposição do programa o Exército do país, bem como o Comando de Operações Especiais e empresas contratadas do governo.

O uso de aeronaves não tripuladas pelos EUA para combater o terrorismo em países do Oriente Médio é bastante criticado tanto pelos próprios cidadãos norte-americanos e pela comunidade mundial. Vários observadores, inclusive os norte-americanos, insistem que essas operações militares representam uma prática inumana. Voltadas contra quaisquer agrupamentos de pessoas que possam parecer suspeitas, esses ataques têm provocado muitas vítimas inocentes entre as populações civis de países como o Paquistão.


Postar um comentário