Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Irã afirma que acusações sobre instalação militar são ‘mentiras’

Correio do Brasil, com Reuters – de Dubai:

O ministro do Exterior do Irã disse neste sábado que as acusações sobre atividades nas instalações militares iranianas de Parchin são “mentiras” espalhadas por opositores do histórico acordo nuclear com as potências mundiais firmado no mês passado.


Parchin é um local para o qual a agência de observação nuclear das Nações Unidas
Parchin é um local para o qual a agência de observação nuclear das Nações Unidas

Um importante centro de análises norte-americano questionou na sexta-feira a explicação iraniana relacionada às atividades em Parchin, visíveis em imagens de satélite, dizendo que o movimento de veículos não parecia ser ligado a obras em estradas.

– Nós dissemos que as atividades em Parchin são relacionadas à construção de estrada – afirmou o ministro Mohammad Javad Zarif, segundo citação da IRNA, agência estatal de notícias, neste sábado.

– Eles (opositores do acordo) já espalharam essas mentiras antes. O objetivo deles é prejudicar o acordo – acrescentou.

Parchin é um local para o qual a agência de observação nuclear das Nações Unidas, a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), requisitou o acesso como parte do acordo nuclear de 14 de julho entre o Irã e as seis potências mundiais, incluindo os Estados Unidos.

O Instituto para a Ciência e a Segurança Internacional, com base nos EUA, sugeriu que o Irã poderia estar fazendo uma limpeza no local antes da chegada dos inspetores da AIEA.


Postar um comentário