Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Especialista: exército sírio deteve 300 militares franceses de diversas patentes

O presidente Vladimir Putin, em conversa com o presidente sírio Bashar Assad, em Sochi, declarou que, devido ao sucesso da luta antiterrorista das forças sírias e ao início do processo político, as tropas estrangeiras deveriam se retirar do território da Síria.
Sputnik

"A declaração de Vladimir Putin durante seu encontro com Bashar Assad, sobre a necessidade da retirada dos contingentes estrangeiros da Síria, arruína os sonhos dos agressores, que contam com a tentativa de realizar seus objetivos na região através de mercenários criminosos", disse à Sputnik Árabe Akram al Shalli, analista da Gestão Síria de Crise e Guerras Preventivas.

"Nas mãos do exército sírio há oficiais dos serviços de inteligência dos EUA, Grã-Bretanha, países árabes e Israel. Por exemplo, só o número de militares franceses de diversos escalões é de 300 pessoas. Notamos tentativas de exercer pressão sobre o governo sírio, inclusive para libertar os militares estrangeiros presos. Mas esses sonhos não p…

‘Isto não é provocação’?: Reino Unido irá treinar mais militares ucranianos

O Reino Unido está ampliando o programa de treinamento de militares ucranianos e planeja formar até dois mil soldados em quatro áreas, disse nesta terça-feira (11) durante um briefing em Kiev o ministro da Defesa britânico, Michael Fellon.


Sputnik

Ele lembrou que, neste momento, continuam os cursos de preparação de militares ucranianos em várias áreas, ministrados por especialistas ingleses. Trata-se de infantaria, reconhecimento, abastecimento logístico. Já foram preparados cerca de mil soldados das Forças Armadas ucranianas. 


Militares ucranianos em Donbass
 Militares ucranianos em Donbass © AP Photo/ Evgeniy Maloletka

“Hoje eu gostaria de dizer que anunciamos o alargamento deste programa de treino, iniciamos cursos em quatro novas áreas… Em primeiro lugar, se trata de cursos voltados para que os militares identifiquem melhor as minas e engenhos explosivos improvisados. Para além disso, são cursos de treino para realização de operações em zonas urbanas, de planejamento operacional, bem como de instalação estruturas de engenharia”, disse o ministro britânico da Defesa.

Ele também manifestou que o Reino Unido planeja aumentar o número de militares ucranianos, devendo o treinamento abranger até dois mil homens.

“Planejamos terminar esses cursos preparatórios até o fim do ano financeiro no Reino Unido, ou seja, 31 de março”, acrescentou.

O ministro da Defesa acusou a Rússia de apoiar os grupos separatistas no leste ucraniano envolvidos em combates e disse que o conflito, que já dura há 18 meses, está “seguramente não congelado” e que ameaça as fronteiras da Ucrânia.

“Não devemos perder de vista que a situação é séria. Sete mil pessoas já morreram na Ucrânia, mesmo na entrada à Europa, enquanto a Ucrânia luta pela sua liberdade. Não é um conflito congelado”.

A Rússia negou várias vezes o seu envolvimento no conflito ucraniano e, por sua vez, criticou o Ocidente dizendo que o treinamento de forças ucranianas nestes tempos diplomáticos tensos é de fato altamente provocatório e contraproducente para o processo de paz.

Até agora os governos ocidentais tinham rejeitado os apelos de Kiev para fornecer armas letais ao exército ucraniano. Porém, críticos acusaram Londres de realizar uma expansão da sua presença devido à ampliação do seu programa de treinamento na Ucrânia, temendo que isto pode resultar em escalada do conflito.

Fellon confirmou que está aberto ao envio de mais conselheiros à Ucrânia, se for preciso, mas negou acusações que tais ações possam fazer aumentar as tensões:

“Não é provocação. Está tudo desenhado para ajudar as Forças Armadas ucranianas a se defenderem melhor e salvarem mais vidas. Tudo isto [o polígono onde estão instalados os instrutores militares britânicos] fica longe da zona do conflito”.

Kiev está realizando, desde meados de abril, uma operação militar para esmagar os independentistas no leste da Ucrânia, que não reconhecem a legitimidade das novas autoridades ucranianas, chegadas ao poder em resultado do golpe de Estado que teve lugar em fevereiro de 2014 em Kiev.

Desde 9 de janeiro, a intensidade dos bombardeios na região aumentou, bem como o número de vítimas do conflito. Isto fez regressar ambas as partes às negociações. O novo acordo de paz, firmado em Minsk entre os líderes da Rússia, da Ucrânia, da França e da Alemanha inclui um cessar-fogo global no leste da Ucrânia, retirada das armas pesadas da linha de contato entre os dois lados, assim como uma reforma constitucional com a entrada em vigor até o final do ano de 2015 de uma nova Constituição, com a descentralização como elemento-chave.

Apesar da trégua, confrontos locais, inclusive com uso de armas pesadas proibidas pelos acordos, continuam. Um Grupo de Contato trilateral (Rússia, Ucrânia e OSCE) está encarregado de buscar uma solução para a crise.



Postar um comentário