Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Exército sírio bombardeia terroristas restantes no sul do país (VIDEO)

O exército sírio retomou os ataques de artilharia maciços contra os terroristas restantes na região de Tulul al Safa no deserto de As-Suwayda, no sul do país, depois de eles terem violado a trégua, segundo uma fonte do Exército.
Sputnik

De acordo com uma fonte que falou com a Sputnik Árabe, na terça-feira (16), o Exército sírio e os terroristas que ocupam as colinas de Tulul al Safa firmaram um acordo de cessar-fogo, segundo o qual os combatentes da Frente al-Nusra (organização terrorista proibida na Rússia e em vários outros países) se comprometeram a entregar as armas depois de serem cercados e sem saída.


Contudo, na manhã da quarta-feira (17) os terroristas atacaram as unidades do Exército sírio. Por sua vez, os soldados repeliram o ataque com êxito e contra-atacaram. Como resultado, dezenas de militantes foram mortos ou feridos. O Exército resolveu retomar os ataques maciços com peças de artilharia apoiadas do ar, tendo como objetivo eliminar as forças terroristas restantes até a épo…

Lituânia se ofende com Finlândia por causa da 'ameaça russa'

A Lituânia não tem "nenhuma obrigação direta para defender a Finlândia da Rússia, mas, se tal situação ocorrer, a OTAN, muito provavelmente, vai encontrar uma maneira de o fazer", disse o ministro da Defesa do país em retaliação à falta de vontade da Finlândia a defender os Estados bálticos contra a "ameaça russa”.


Sputnik

"Eu acho que nós vamos tentar de alguma forma apoiar a Finlândia, se o país precisar. Mas isto não é a nossa obrigação direta", disse o ministro da Defesa da Lituânia Juozas Olekas na sua entrevista ao rádio Ziniu Radijas.


Exercícios militares
© Sputnik/ Igor Zarembo

Os comentários vêm em retaliação às recentes declarações do presidente finlandês Sauli Niinistö.

Na terça-feira, o chefe de Estado finlandês disse que a Finlândia não está em posição para ajudar a defender os seus vizinhos bálticos e outros membros da UE caso seja necessário.

"De vez em quando ouvimos a ideia de que a Finlândia poderia participar parcialmente da defesa dos países bálticos", disse Niinistö, durante as conversações com representantes da Embaixada finlandesa.

"A Finlândia não está na posição em que poderia oferecer aos outros garantias de segurança que nem sequer temos nós mesmos," afirmou o presidente.

"A nossa fronteira oriental (com a Rússia) é maior do que as de todos os países da OTAN em conjunto. Se uma nação de pouco mais de cinco milhões de pessoas é responsável pela sua defesa em seu próprio país, a responsabilidade já é suficiente", adicionou ele.

Olekas porém respondeu que cada país entende de forma diferente as suas preocupações de segurança e escolha diferentes meios de defesa.

“A Lituânia, entre outros países bálticos, escolheu o caminho da defesa coletiva da OTAN mais de 10 anos atrás”, disse ele.

Ao contrário dos seus vizinhos bálticos, a Finlândia — que compartilha uma fronteira comum de 1.340 quilômetros com a Rússia — não é um membro da OTAN, apesar de que a aliança manteve suas portas abertas para ela.

As “tensões regionais” não fizeram o público finlandês mais aberto à adesão à OTAN. As pesquisas recentes mostram que a maioria está contra esta opção.

Niinisto disse que a Finlândia continuará desenvolvendo a sua própria defesa em cooperação com o seu vizinho do oeste, a Suécia, e através da parceria com a OTAN.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas