Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Não há provas de que milícias ucranianas abateram o MH17, diz ex-agente da CIA

Se a inteligência tivesse as provas de que milícias independentistas abateram o MH17, eles já as divulgaram, considera ex-especialista da Agência Central de Inteligência (CIA).


Sputnik

Passou já um ano desde que Barack Obama e John Kerry anunciaram que as milícias das repúblicas autoproclamadas de Donetsk e Lugansk eram os responsáveis pelo acidente do avião malaio. A inteligência se baseia em dados das redes sociais.


Destroços do Boeing-777 em Donetsk, no leste da Ucrânia
© Sputnik/ Andrei Stenin

“Investimos 90 biliões de dólares por ano para a inteligência norte-americana, mas quando há um caso real, temos que acreditar nas redes sociais? Estas provas são extremamente vagas,” disse Ray McGovern, que trabalhou na CIA 27 anos, na entrevista para The Brad Blog.


Além disso, o especialista sublinhou que após alguns dias da tragédia a administração do presidente publicou uma “Estimativa Governamental”, ou seja, um documento político, e não uma Estimativa da Inteligência, documento que é habitualmente composto em tais casos.

Segundo Ray McGovern, os seus ex-colegas não querem repetir o erro dos seus antecessores que firmaram avaliação falsificada de que no Iraque havia arma de destruição em massa.

O Boeing 777 do voo MH17, que fazia a rota de Amsterdã para Kuala Lumpur, foi derrubado em 17 de julho de 2014 enquanto sobrevoava a região de Donetsk, no leste da Ucrânia, matando todas as 298 pessoas a bordo.

O governo ucraniano e as forças independentistas de Donetsk acusam-se mutuamente de responsabilidade pelo abate da aeronave.

Um relatório final sobre o acidente deverá ser publicado em outubro pelo Dutch Safety Board (conselho investigador de segurança holandês). De acordo com o relatório preliminar publicado pelo lado holandês em setembro de 2014, "o avião se despedaçou no ar provavelmente como resultado de danos estruturais causados por uma grande quantidade de objetos em alta velocidade que penetraram na aeronave pelo lado de fora".

Em junho deste ano a fabricante de armas russa Almaz-Antei publicou os resultados de sua investigação sobre o caso, sugerindo que o voo MH17 foi derrubado por um míssil teleguiado lançado por um sistema Buk-M1. Este míssil, em particular, não é produzido na Rússia desde 1999, mas permanece em serviço no Exército ucraniano, de acordo com o fabricante.



Postar um comentário