Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Super Tucano em teste pela Força Aérea dos EUA sofre acidente

Queda sem causa ainda definida é má notícia para a fabricante brasileira, que disputa concorrência com americanos
Igor Gielow | Folha de S.Paulo

Um turboélice A-29 Super Tucano, fabricado pela Embraer, caiu durante um exercício de ataque leve conduzido pela Força Aérea dos EUA em um campo de provas do Novo México, na sexta (22).

Dois tripulantes conseguiram se ejetar. Segundo comunicado da base de Holloman, um dele se feriu levemente e foi medicado, enquanto não há detalhes do estado do segundo. A causa do acidente não foi divulgada.

O avião participa da fase final da competição para fornecimento de aviões leves para missões de ataque a solo e reconhecimento. Inicialmente, os EUA querem adquirir 15 unidades, para depois expandir a até 120. Elas servirão para substituir o famoso A-10 Warthog (Javali, em inglês), um modelos subsônico a jato fortemente armado e blindado que opera desde 1977.

Os americanos estão procurando opções mais econômicas para a missão. Enquanto um A-10 tem sua hora-voo…

Novo plano da ONU para a Síria parece com o plano iraniano e pode trazer paz, diz Irã

Os quatro itens do plano proposto por Staffan De Mistura, enviado especial da ONU para a Síria, correspondem aos itens do plano de pacificação do Oriente Médio proposto anteriormente pelo vice-chanceler iraniano para assuntos da África e dos países árabes, Hossein Amir Abdollahian, disseram fontes de Teerã.


Sputnik

Foi a porta-voz da chancelaria da República Islâmica do Irã, Marzieh Afkham, quem assegurou que o novo plano das Nações Unidas “pode ser avaliado como o mais próximo da compreensão correta das realidades atuais da situação política na Síria e nos territórios atingidos pelo conflito, do ponto de vista dos atores regionais e internacionais”.


Staffan de Mistura durante uma sessão da ONU em 29 de julho de 2015.
Staffan de Mistura © AP Photo/ Bebeto Matthews

De Mistura apresentou o seu projeto na semana passada. Trata-se de um plano de transição política na Síria, que prevê a criação de grupos de trabalho, integrados por representantes do governo e da oposição, com o intuito de realizar o comunicado de Genebra, documento datado de 30 de junho de 2012, que desenha as bases da regulação síria.

Os grupos de trabalho (que deverão começar a funcionar a partir de setembro) já receberam uma avaliação positiva do representante especial do presidente Putin para o Oriente Médio e África e vice-ministro das Relações Exteriores, Mikhail Bogdanov.

Já o Irã saudou o projeto do enviado especial da ONU por compartilhar os mesmos princípios. Mais cedo neste ano, o vice-chanceler Abdollahian apresentara um plano de quatro itens par o processo de paz na Síria. Depois, quando eclodiu o conflito no Iêmen, com a intervenção saudita-ocidental, adaptou o plano para ser compatível com este país.

O plano de Abdollahian inclui os seguintes itens, resume à Sputnik o diplomata iraniano Seyed Hadi Afghahi, que tinha trabalhado na embaixada do Irã no Líbano: “a trégua total e completa na Síria, a criação de um governo de unidade nacional (com a participação de todos os grupos políticos, mas sem os terroristas), a redação de uma Constituição pelo governo de unidade nacional; a realização de eleições presidenciais com a participação de todas as forças políticas e religiosas do país”.

Para Afghahi, o plano de Staffan De Mistura é “análogo” ao plano iraniano, contendo também quatro áreas temáticas: segurança para todos, assuntos políticos e de direito, assuntos militares e de combate ao terrorismo, processo de restauração e desenvolvimento.

O diplomata disse esperar que o plano de Mistura seja aprovado pela maioria dos países, inclusive “os mais obstinados” – “aqueles poucos países árabes que patrocinam os terroristas na região e dizem que a derrubada do regime de Bashar Assad e a guerra são a única saída da situação” – escolham afinal a via do diálogo político.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas