Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Argentina concorda em construir bases norte-americanas em seu território

O presidente da Argentina, Mauricio Macri, aprovou a construção no país de várias bases militares dos EUA, informou no sábado (21) o portal mexicano Aristegui Noticias com referência a fontes informadas.
Sputnik

De acordo com o portal, trata-se de ao mínimo três bases militares a serem construídas nas províncias de Neuquén (onde fica a jazida de gás de xisto Vaca Muerta), Misiones e Tierra del Fuego, de onde se pode controlar a Antártida.

A sua criação deve ser financiada pelo Comando Sul dos EUA. Um dos principais adeptos da criação de bases seria a ministra da Segurança da Argentina, Patricia Bullrich.

Além disso, nota o portal mexicano, a ministra elogiou a chegada ao país de instrutores americanos que efetuam a preparação dos policiais argentinos antes da cúpula do G20 em novembro. Isso viola as atuais leis argentinas, porque é necessário obter a autorização do Congresso para tais ações, algo que não foi feito.

Paraguai reclama do Brasil por violação de soberania durante a operação Ágata 2015

Confronto entre militares e contrabandistas paraguaios em rio do país vizinho gerou protesto


Forças Terrestres

O ministro das Relações Exteriores do Paraguai, Eladio Loizaga, chamou, na sexta-feira (31), o embaixador brasileiro em Assuncão, José Felicio, para expressar descontentamento com o que seria uma “flagrante violação da soberania” do Paraguai pelo Brasil. Militares brasileiros teriam enfrentado contrabandistas paraguaios em um rio na região de Salto del Guairá, na fronteira com o Brasil. As informações são do jornal paraguaio Color Abc.


Operação Ágata

O ministro disse que espera do Brasil uma “resposta satisfatória e pedido de desculpas”. Uma carta foi enviada também ao Itamaraty pela embaixada paraguaia em Brasília, com reclamação sobre a invasão da soberania fluvial. O confronto é resultado da Operação Ágata, lançada pelo governo federal, que visa combater o tráfico ilegal de drogas e produtos.

“Entreguei-lhe ( a Felicio ) uma carta, explicando a história e as informações passadas pelo comandante da Marinha sobre os acontecimentos em Salto del Guaira”, disse o ministro. No texto, Eladio diz lamentar a situação em um momento em que as relações entre os dois países estão tão boas, e pede que o fato não se repita.

O ministro afirmou que o Paraguai trabalha com agências nacionais e internacionais na luta contra o crime organizado, “em todas as suas dimensões”. Perguntado se o Ministério das Relações Exteriores planeja apelar às organizações internacionais no caso, ele disse que é esta é uma questão bilateral.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas