Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Radicais sírios estariam recebendo armamento dos EUA através da fronteira com Jordânia

Enquanto o exército sírio parece estar pronto para uma grande ofensiva na província de Daraa, os grupos radicais que operam na região estariam recebendo grandes remessas de material bélico "Made in USA".
Sputnik

Os grupos militantes que atuam no sul da Síria receberam uma grande quantidade de armas e munições fabricadas nos EUA, incluindo mísseis antitanque TOW, informou a agência de notícias FARS.

De acordo com a FARS, o armamento foi entregue através da fronteira com a Jordânia no âmbito de um novo plano dos EUA para assegurar mais apoio a estes grupos na Síria.

A agência informou também que os grupos militantes na província de Daraa começaram a se preparar para impedir a ofensiva do exército sírio.

No início deste mês, o exército sírio intensificou as ações no sudoeste do país, controlado por radicais, perto da fronteira com a Jordânia e as Colinas de Golã, ocupadas por Israel.

O Ministério da Defesa da Rússia acrescentou que as forças do governo sírio, apoiadas por um grande a…

Poroshenko: Rússia pode atacar países bálticos

O presidente da Ucrânia afirmou ser possível que a Rússia ataque os países bálticos, a Finlândia e os países do Mar Morto, alegando que a Ucrânia não está lutando numa guerra civil, mas por "democracia, liberdade e segurança para a Europa."


Sputnik

Em uma entrevista ao jornal austríaco Kurier, o presidente ucraniano Pyotr Poroshenko disse ser possível que o presidente russo Vladimir Putin ataque a Finlândia e os países bálticos, assim como os países ao redor do Mar Negro.

Ukrainian President Petro Poroshenko gestures as he speaks to lawmakers during a parliament session in Kiev, Ukraine
Piotr Poroshenko © AP Photo/ Efrem Lukatsky

"É possível que ele (Putin) ataque a Finlândia? Sim. Que ele ataque os países bálticos? Sim. Os países do Mar Morto? Sim", disse Poroshenko na entrevista.

Poroshenko fez o comentário após afirmar que "nove mil soldados russos" estão presentes em território ucraniano. No sábado, um dia antes da entrevista de Poroshenko, o ministro de Relações Exteriores da Estônia, Marina Kaljurand, declarou que a Rússia não representa uma ameaça militar a seu país.

Kaljurand deu sua declaração em resposta a um relatório sueco que alega que a Rússia pode atacar os países bálticos.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas