Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Qual será resposta síria a novos mísseis 'inteligentes' dos EUA?

A cada declaração do presidente dos EUA, Donald Trump, sobre seus "mísseis inteligentes", os sistemas de defesa antiaérea sírios terão sua própria resposta de mísseis, o que foi demonstrado pelo país em 14 de abril, assegurou à Sputnik o membro do Conselho Público junto ao Ministério da Defesa da Rússia, Igor Korotchenko.
Sputnik

Mais cedo, Sergei Rudskoy, chefe da Direção-Geral Operacional do Estado-Maior das Forças Armadas russas, disse aos jornalistas que os especialistas russos tinham detectado evidências de 22 mísseis terem atingido alvos, de um total de 105 anunciados pelos EUA, na sequência do ataque aéreo dos EUA e seus aliados.


"Os mísseis podem ser 'inteligentes', mas os sistemas da defesa antiaérea podem ser eficientes, por isso, para cada míssil 'astuto' haverá um míssil guiado, o que foi demonstrado pelo ótimo treinamento profissional dos soldados sírios. Nas declarações de Trump há muita publicidade, e para cada tweet de Trump sobre seus '…

Putin: Forças exteriores preparam sabotagem na Crimeia

O presidente russo, Vladimir Putin, declarou que ainda existe a ameaça de a situação na Crimeia poder ser desestabilizada por parte de forças do exterior e que esta ameaça deve ser considerada.


Sputnik

Durante o discurso na reunião sobre segurança de Crimeia, Putin declarou que estão sendo treinados agentes diversionistas para a realização de sabotagens.


O presidente da Rússia, Vladimir Putin
© Sputnik/ Aleksey Nikolskyi

“É óbvio que se mantém a ameaça, por parte de forças exteriores, de desestabilizar de uma ou de outra forma a situação na península – pode ser jogar a cartada nacionalista ou, aproveitando certos erros e falhas, ações ineficazes do governo, dirigir a preocupação justa dos cidadãos para a via destrutiva.”

Segundo o presidente russo, em algumas capitais são ouvidos “apelos à necessidade de realizar ações de sabotagem, são criadas estruturas para esse efeito, são recrutados agentes para realização de ações de sabotagem e propaganda radical”.

Putin sublinhou que o objetivo de tal atividade é claro: "Desestabilizar a situação, impedir a vida normal das pessoas e o desenvolvimento socioeconômico da região."

O presidente também disse que a ameaça deve ser considerada por ambos os governos – o federal e o local, que devem reagir adequadamente. Enquanto isso, o presidente pediu para não exagerar a situação e não aumentar as tensões, mas só para as pessoas estarem preparadas a reagir rapidamente.

A Crimeia e a cidade de Sevastopol adotaram declarações de independência em 11 de março de 2014. Cinco dias depois, realizaram um referendo no qual 96,77% dos habitantes da Crimeia e 95,6% dos eleitores de Sevastopol escolheram se separar da Ucrânia e se juntar à Rússia. O presidente russo, Vladimir Putin, assinou os acordos de reunificação em 18 de março do mesmo ano.

O ministério das Relações Exteriores da Rússia declarou em diversas ocasiões que os habitantes da Crimeia escolheram o seu destino através de um pleito democrático realizado em conformidade com todas as normas do direito internacional e a Carta das Nações Unidas.

Enquanto isso, o governo da Ucrânia, que chegou ao poder no resultado dos acontecimentos, que a Rússia considera de golpe de Estado, nega reconhecer a península de Crimeia como parte da Rússia.


Postar um comentário