Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Militares norte-americanos acreditam que EUA entrarão em guerra

Quase metade do Exército dos EUA está confiante de que durante o ano de 2019 seu país estará envolvido em um grave conflito armado, de acordo com o Military Times.
Sputnik

Segundo uma pesquisa recente, 46% dos participantes não duvidam que o confronto militar ocorrerá no próximo ano.


A título de comparação, em 2017, apenas 5% dos militares dos EUA esperavam um conflito armado, enquanto 50% descartaram um cenário de guerra e 4% não responderam.

Quanto aos inimigos mais prováveis, os soldados dos EUA mencionaram principalmente a Rússia e a China. Respectivamente, 72% e 69% dos entrevistados escolheram esses dois países.

Além disso, cerca de 57% estão preocupados com a presença de extremistas islâmicos nos Estados Unidos. Em particular, 48% destacaram uma possível ameaça por parte dos grupos terroristas Daesh e Al Qaeda (proibidos na Rússia e em outros países).

Rússia irá substituir Mistral por seu próprio porta-aviões nuclear

A Rússia está desenvolvendo o seu próprio novo porta-aviões, que vai ser equipado com uma unidade de energia nuclear, para substituir os Mistrais franceses, informou o secretário de imprensa da Empresa de Construção Naval russa.


Sputnik

O projeto, em fase de desenvolvimento, é superior ao francês Mistral em suas caraterísticas técnicas, segundo relatou a International Business Times. 


Modelo de um Mistral
© Sputnik/ Alexander Vilf

A Rússia está desenvolvendo o seu próprio novo porta-aviões, que vai ser equipado com uma unidade de energia nuclear, para substituir os Mistrais franceses, informou o secretário de imprensa da Empresa de Construção Naval russa. Antes da quebra do contrato com a França, o Kremlin anunciou, em maio, planos de construção dos seus próprios navios militares, que superam os da classe Mistral.

De acordo com o secretário de imprensa da Empresa de Construção Naval russa, o projeto do futuro porta-aviões russo está em fase de elaboração e construção. Ele ressaltou que, de acordo com um estudo realizado pela empresa de engenharia Nevskoe (Nevskoe Proektno Konstruktorskoe Biuro, PKB), para assegurar as exigências impostas pela Marinha russa, o navio deve ser equipado com uma unidade nuclear.

O diretor-geral da PKB, Sergey Vlasov, acredita que o projeto do porta-aviões pode ser realizado de duas maneiras. A primeira opção prevê a instalação de uma unidade de energia nuclear, que permitirá ao navio, com um deslocamento de 80 000 — 85 000 toneladas, receber a bordo 70 aeronaves. Sem a instalação de uma unidade de energia nuclear o porta-aviões terá um deslocamento de 55 000 — 65 000 toneladas e poderá transportar cerca de 55 aeronaves a bordo.

Os testes da unidade nuclear para o futuro porta-aviões deverão ser realizados com o contratorpedeiro Líder. A construção de novos navios militares poderá estar concluída antes de 2030.


Postar um comentário

Postagens mais visitadas