Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Rússia receberá em breve os helicópteros de ataque Ka-52k

O CEO da companhia Russian Helicopters, Alexander Mikheev, anunciou nesta terça-feira (25) que em breve a empresa começará a entregar para as Forças Armadas da Rússia as aeronaves de ataque Ka-52k, que iriam se basear nos porta-helicópteros da classe Mistral.


Sputnik

“Num futuro próximo, vamos entregar os helicópteros Ka-52K e Mi-28nm para o Ministério da Defesa, com melhores capacidades técnica e táticas e armamentos”, disse Mikheev durante o Salão Aeroespacial de Moscou MAKS-2015.


Helicóptero Ka-52 Alligator
© Sputnik/ Vitaliy Ankov

O Kamov Ka-52 Alligator é uma modificação do helicóptero de ataque Ka-50 Black Shark. Projetada para detectar e localizar alvos em movimento e estáticos em terra e destruir arsenais inimigos, helicópteros e aviões voando baixo, esta versão foi construída para ficar baseadas em navios. Possui um duplo rotor de pás e asas dobráveis que permitem que a máquina seja colocada nos porta-helicópteros da classe Mistral.

Em 2011, as corporações DCNS, da França, e Rosoboronexport, da Rússia, assinaram um contrato de € 1,2 bilhão para a entrega dois navios de guerra da classe Mistral. Segundo o documento, Paris deveria entregar o primeiro navio em 2014. Em novembro passado, porém, o fornecimento foi suspenso, sob a alegação de uma suposta participação de Moscou no conflito ucraniano. O Kremlin tem repetidamente negado as acusações. Os EUA também se opuseram fortemente ao envio das embarcações.

Este mês, o presidente russo, Vladimir Putin, e seu colega francês, François Hollande, concordaram sobre a rescisão do contrato. A França já transferiu a compensação para a Rússia. A soma da indenização não foi tornada pública.


Postar um comentário