Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Turquia adverte exército sírio contra entrada em Manbij

O comunicado foi divulgado poucos dias depois de pelo menos quatro soldados americanos terem sido mortos em um atentado suicida na cidade de Manbij, no norte da Síria, cuja responsabilidade foi assumida pelo Daesh (grupo terrorista proibido em Rússia e em vários outros países).
Sputnik

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores turco, Hami Aksoy, alertou as Forças Armadas do governo sírio para que não tentassem entrar na cidade de Manbij, localizada no norte da Síria.


"Às Unidades de Proteção Popular curdas na Síria (YPG) não deveria ser permitido deixar que as forças do regime [do presidente sírio Bashar Assad] entrem em Manbij", disse Aksoy em uma entrevista coletiva na sexta-feira (18). Ele também destacou que "a retirada das tropas norte-americanas da Síria não deveria ajudar os terroristas das YPG e do Partido de União Democrática curdo (PYD)".

As declarações foram feitas depois que nesta quarta-feira (16) na cidade síria de Manbij ocorreu uma explosão em u…

Acordo entre OTAN e Afeganistão pode ser revisto

Deputados da câmara alta do parlamento afegão se pronunciaram em prol da revisão do acordo de segurança ente Cabul e Washington firmado no ano passado.


Sputnik

Vale lembrar que na véspera, mais de 10 funcionários da polícia de drogas morreram na consequência do ataque aéreo da OTAN na província Helmand. Tomando em conta a deterioração geral da situação no país, os deputados expressaram as suas dúvidas quanto ao acordo dizendo que não é razoável e benéfico para o Afeganistão.


Soldado das tropas norte-americanas na província de Candaar, Afeganistão
© Foto: US Army / Staff Sgt. Shane Hamann

Um dos deputados do partido Solidariedade do Afeganistão Haji Mohammad Ayudu comentou o assunto para a Sputnik e disse que o acordo com os EUA não correspondeu às suas esperanças de melhorar a situação.

“O Afeganistão não está protegido nem dos terroristas, nem das próprias unidades da OTAN, o que se revelou no acidente em Helmand. Além disso, o nosso exército precisa de material bélico; não vale a pena mencionar a economia fraca”, opina Haji Mohammad Ayudu.

O deputado comparou o Afeganistão com um trampolim usado por terroristas na transferência para a Ásia Central e depois para a Rússia.

No entanto, o deputado precisou que não era preciso se despachar:

“Ambas as câmaras do parlamento devem se reunir, avaliar a situação atual e tomar uma decisão razoável que favorece a segurança do país”.

Em 30 de setembro de 2014 Cabul e Washington assinaram o acordo de segurança, segundo o qual no país estavam presentes 8-13 mil especialistas militares que deviam lutar contra a organização terrorista Talibã e treinar as forças de segurança locais.


Postar um comentário

NOTÍCIAS MAIS LIDAS

Postagens mais visitadas