Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

O que acontece quando desaparece um submarino como o argentino ARA San Juan

As autoridades argentinas continuam com as buscas para tentar localizar o submarino ARA San Juan, que estava em uma missão de treinamento e desapareceu na última quarta com 44 tripulantes a bordo.
BBC Brasil


A Marinha argentina revelou que, no último contato, o subcomandante afirmou que a embarcação apresentava um curto-circuito no sistema de baterias.


O submarino fazia o trajeto entre o Ushuaia, no sul do país, e a base naval de Mar del Plata, mais ao norte, quando deixou de se comunicar e sumiu dos radares. Segundo a Marinha, a tripulação teria comida e oxigênio para mais dois dias.

O governo argentino conta com a ajuda de vários países para realizar as buscas, incluindo Brasil e Estados Unidos.

Mas quais são principais dificuldades em uma operação para localizar um submarino? A BBC tenta responder a esta e a outras perguntas sobre o tema.

Por que submarinos não podem ser detectados?


Os submarinos são construídos para serem difíceis de se encontrar. O papel deles é participar, com frequênc…

Cinco coisas que você desconhecia sobre os tanques russos

As tropas de tanque formam a principal força de ataque dos exércitos modernos mundo afora. Descubra curiosidades sobre os veículos russos.


VADIM MATVÉIEV | GAZETA RUSSA

1. Como distinguir um T-64 de um T-72, T-90 e T-80?

À primeira vista são veículos muito parecidos, mas, analisando atentamente, nota-se grandes diferenças. A mais visível delas é o diâmetro e o aspecto externo das rodas de apoio da esteira.


T-72 tem rodas de 750 mm de diâmetro revestidas por espessa camada de borracha Foto: Iúri Smitiuk/TASS

No T-64, as rodas têm 555 mm de diâmetro e são fabricadas por estampagem, além de serem estreitas e desprovidas de borracha externa. No caso do T-72, têm 750 mm de diâmetro e são revestidas por uma espessa camada de borracha. Já o T-80 tem rodas de 670 mm, largas, revestidas com borracha, com a forma de um prato fundo e uma cúpula central rodeada por parafusos. O T-90, tal como o T-72, também possui rodas de 750 mm de diâmetro.

Também é fácil distinguir esses tipos de tanque pela localização do sensor de infravermelhos. No T-64, ele vem instalado à esquerda do canhão do tanque, enquanto o T-72 e o T-80 o trazem à direita do cano do canhão.

Por fim, tanto o T-64, como o T-72 e o T-90, vêm equipados com uma única seção do dispositivo de visualização do condutor do tanque, enquanto o T-80 possui três dessas seções.

2. O tanque moderno mais fabricado no mundo é o T-72

Desde o início da produção em série do T-72, em 1974, até os dias de hoje, a fábrica Uralvagonzavod já fabricou mais de 20.500 tanques desse tipo. O pico de fabricação aconteceu em 1985, quando da linha de produção da Uralvagonzavod saíram 1.559 tanques T-72.

A produção do T-72 foi licenciada nas antigas Iugoslávia e Tchecoslováquia, Polônia e Índia.

3. Primeiro tanque do mundo com turbina a gás é o T-80

O T-80 foi o primeiro tanque em série do mundo com o principal sistema de propulsão assentado em um motor de turbina a gás. Além dó Exército russo, pode-se vê-lo em ação nos exércitos da Ucrânia, Bielorrússia, Coreia do Sul, Uzbequistão, Chipre e Paquistão.

Ucrânia e Bielorrússia são alguns dos países que possuem T-80 em seus arsenais Foto: TASS

4. Todos os tanques russos e soviéticos conseguem se autoentrincheirar

Os tanques soviéticos da série T traziam sempre um dispositivo que lhes permitia se entrincheirarem, enquanto os projetistas dos tanques ocidentais negligenciaram durante muito tempo esse dispositivo extremamente útil em um veículo de combate.

O equipamento que permite ao tanque se autoentrincheirar consiste em uma espécie de pá de bulldozer fixada à inclinação frontal inferior do tanque. Alguns minutos de funcionamento do dispositivo e a trincheira está pronta.

5. Por que o T-90 MBT recebeu o nome de ‘Vladímir’?

T-90, ou Vladímir, em ensaio para o Dia da Vitória, em Alabino Foto: Mikhail Djaparidze/TASS

O tanque T-90, que entrou em serviço em 1992, recebeu o nome de ‘Vladímir’ em homenagem ao seu criador, Vladímir Ivanovitch Potkin. Depois que o famoso construtor faleceu, em maio de 1999, o governo russo decidiu colocar o nome de ‘Vladímir’ à sua criação.


Postar um comentário