Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Marinha e Aeronáutica do Brasil auxiliam buscas a submarino argentino desaparecido, diz ministro

Segundo Raul Jungmann, três navios e um avião brasileiros já foram disponibilizados. Última vez que o submarino militar com 44 pessoas a bordo manteve contato com a base foi na quarta-feira (15).
Por G1, Brasília

O ministro da Defesa, Raul Jungmann, publicou em seu perfil no Twitter neste sábado (18) que três navios da Marinha brasileira "já estão auxiliando" nas buscas a um submarino argentino que desapareceu com 44 tripulantes a bordo.

Ainda segundo o ministro, a Força Aérea Brasileira (FAB) disponibilizou um avião para também ajudar na procura pelo submarino e um segundo avião "será deslocado para apoiar as buscas do submarino argentino desaparecido" a partir deste domingo (19).

O submarino militar ARA San Juan manteve contato com a base pela última vez na manhã de quarta-feira (15), quando estava no sul do Mar Argentino, a 432 quilômetros da costa patagônica do país.

De acordo com a FAB, o primeiro avião disponibilizado pelo Brasil decolou, com 18 tripulantes, às 17…

Espanha ‘aplicou golpe baixo’ na OTAN

Políticos britânicos estão indignados com a decisão da Espanha de deixar ao submarino russo Novorossisk entrar no porto de Ceuta, situado na costa de Marrocos, para se reabastecer de combustível, comunica The Independent.


Sputnik

Deputados britânicos e peritos militares condenaram o governo espanhol pela “provocação evidente” contra Gibraltar, território britânico ultramarino localizado no extremo sul da Península Ibérica. A Espanha continua reivindicando a posse de Gibraltar. Segundo os deputados, a Espanha autorizou a entrada do navio russo para intimidar a população do enclave britânico. 


Bandeira da OTAN é queimada durante protestos na Rússia
© AFP 2015/ MAXIM AVDEYEV

Segundo Konstantin Sivkov, doutor em ciências militares e presidente da União de Analistas Geopolíticos, as ações da tripulação do submarino não contradizem o direito internacional.

O especialista considera que a afirmação de Londres é somente uma manobra diplomática do Ministério das Relações Exteriores:

“O principal é outra coisa, é o ‘golpe baixo’ na OTAN. Porque a Espanha é membro da OTAN, o país foi um dos primeiros a autorizar bases dos navios norte-americanos de defesa antimíssil. E de repente a Espanha – membro fiel da OTAN, que representa a OTAN como uma potência marítima (tem costa no Atlântico e é responsável pela defesa antissubmarino da aliança) – acolhe um submarino contra o qual, em princípio, deve lutar”.

De acordo com Konstantin Sivkov, a Espanha, embora seja membro da aliança, está preparada para cooperar com a Rússia:


“Isto mostra que o governo espanhol está começando a se reorientar cuidadosamente das posições da OTAN para outras, digamos, mais alargadas. E está pronta para cooperar com a Rússia mesmo em contradição com os interesses da OTAN. Isto provocou o pânico nas autoridades da OTAN e nas elites políticas da Grã Bretanha”.

Além disso, o analista afirma que a influência da OTAN sobre a Europa está cada vez mais enfraquecida:

“Tudo aponta para que a OTAN, como organização unida rígida controlada pelas elites anglo-saxónicas, que controla totalmente a Europa, começa a se tornar uma estrutura inconsistente. Se os espanhóis acolhem os nossos submarinos em contradição com a opinião dos dirigentes da OTAN, isso significa que, caso surja um conflito, os espanhóis podem se recusar a participar dele, podem fazer algumas demarches que serão inaceitáveis para a OTAN. Este é, pois, um sinal muito desagradável para a OTAN. Por isso eles estão incomodados. Eles têm medo de perder a Espanha”, conclui o especialista militar.

Assim, parece que, ao invés de realizar os maiores exercícios desde a Guerra Fria, treinando um cenário de guerra híbrida contra a Rússia, seria melhor treinar a disciplina interna porque o aparecimento de aliados "desobedientes" é bem mais provável do que um conflito com a Rússia, que não tem interesse em territórios estrangeiros.


Postar um comentário