Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Especialistas: aumenta o risco de guerra entre os EUA, a Rússia e a China

O desenvolvimento de novos tipos de armas nucleares de "baixa potência" aumenta o risco de uma guerra entre os EUA, a Rússia e a China, segundo especialistas consultados por Newsweek.
Sputnik

O Pentágono está desenvolvendo dois novos tipos de armas nucleares, para acompanhar os progressos da Rússia e da China nesse terreno. Os especialistas tiveram acesso às minutas do projeto de doutrina nuclear norte-americana, que acusa Moscou e Pequim de ampliar as suas capacidades nucleares. 


Esse documento afirma a necessidade de "desenvolver e incorporar novos meios de contenção e de defesa dos objetivos, quando a contenção não funciona".

Entre outras medidas, o projeto revela a intenção de desenvolver ogivas nucleares de baixa potência para mísseis Trident, utilizados por submarinos da classe Ohio. Além disso, o departamento de Defesa dos EUA planeja desenvolver um míssil nuclear de baixa potência para suas bases marítimas.

O Pentágono considera o atual arsenal nuclear a disposi…

Especialista militar desmente rumores sobre porta-aviões chinês se aproximando da Síria

As informações sobre um porta-aviões chinês que estaria se deslocando rumo ao litoral da Síria através do mar Mediterrâneo são falsas, disse um especialista militar.


Sputnik

Mais cedo nesta segunda-feira, o jornal libanês al-Masdar tinha alegado em uma matéria que um navio transportando “militares chineses e material para veículos aéreos” deveria chegar ao porto de Tartus “nas próximas semanas”.


Porta-aviões chinês Liaoning
Porta-aviões chinês Liaoning © AP Photo/ Xinhua, Li Tang

Já o especialista Zhang Junshe, do Instituto da Marinha do Exército de Libertação Popular da China, comentou que as informações “não passam de rumores falsos”.

Disse, citado pelo jornal Huanqiu:

“As informações sobre um porta-aviões chinês que estaria se deslocando rumo ao mar Mediterrâneo não passam de rumores falsos. Essas informações não correspondem à realidade. A China não pode ter enviado um navio para apoiar a Síria em algum aspeto que seja. A postura da China é de respeito à livre escolha do povo sírio, de não interferência militar nos assuntos da Síria e de não participação da mudança do poder por meio de violência. E por isso a China não podia enviar um porta-aviões à Síria para interferir nos assuntos internos desse país. A China não vai patrocinar nenhum grupo ou indivíduo na Síria – neste assunto, a China é partidária de métodos justos e objetivos”.

No domingo, 27, algumas horas antes de se iniciar a Cúpula do Desenvolvimento Sustentável, integrada na 70ª Assembleia Geral da ONU, soube-se que a França bombardeou as posições do Estado Islâmico (grupo terrorista proibido na Rússia). As autoridades francesas declararam que iriam continuar e que o faziam em “autodefesa”.


Postar um comentário