Pular para o conteúdo principal

Postagem em destaque

Adeus a tecnologias 'stealth': novo radar russo pode detectar aviões furtivos

Tecnologias russas capazes de detectar aviões furtivos do inimigo podem vir a fazer parte do sistema da defesa antiaérea unida da OTSC – Organização do Tratado de Segurança Coletiva, declarou o chefe do Estado-Maior Conjunto da aliança, Anatoly Sidorov.
Sputnik

Inovações russas capazes de desativar tecnologias furtivas do inimigo podem vir a ser usadas na criação do sistema de defesa antiaérea unida da OTSC, declarou militar, citado pelo jornal Rossiyskaya Gazeta. Sidorov comentou que essas inovações seriam eficazes tanto contra aviação do inimigo como contra ataques com mísseis.



O sistema Rezonans-NE funciona graças ao princípio de reflexão ressonante de ondas de rádio da superfície de aparelhos aéreos, facilitando vigilância de aeronaves e mísseis do inimigo, explicou Aleksandr Scherbinko, vice-diretor executivo da empresa de design Rezonans.

"Este modelo pode ser de grande interesse, levando em consideração criação do sistema de defesa antiaérea unida da OTSC, cuja inauguração est…

Grã-Bretanha admite envolvimento em acidente com submarino e traineira

O Ministério da defesa da Grã-Bretanha admitiu, cinco meses depois, que foi um submarino britânico - e não um russo, como se acreditava - que colidiu com uma traineira na costa sudeste da Irlanda do Norte.


Sputnik

Em abril deste ano, machetes de tabloides do Reino Unido faziam alarde com a história do barco de pesca que quase naufragou após uma "colisão com um submarino russo" no Mar da Irlanda.


Royal Navy submarine
© flickr.com/ UK Ministry of Defense

Na época, uma organização de pescadores alegava que um submarino russo havia atingido a traineira e arrastado a embarcação após suas redes ficarem presas no submarino.

Em relatos dramáticos sobre o evento, tripulantes da traineira tiverem dificuldade para desprender os cabos presos à traineira, que "estava navegando lentamente para a frente, mas repentinamente foi arrastada para trás na água."

A embarcação voltou para a cidade de Ardglass, na Irlanda do Norte, onde a teoria sobre o envolvimento de um submarino russo ganhou força. Dick James, representante de uma associação de pescadores locais, afirmou que "não é sempre possível prevenir, mas se um acidente assim acontecesse com um navio da Marinha Real Britânica, o protocolo manda que o submarino subisse à superfície imediatamente para conferir a saúde dos envolvidos, e este submarino não fez isso."


Postar um comentário